Anúncio

E que venha o segundo turno…

Por Glenda Machado

Publicado em 5 de outubro de 2010 às 00:00
Atualizado em 22 de novembro de 2016 às 20:49

Anúncio

Terminou assim a disputa no primeiro turno para a presidência da República: Dilma Rousseff (PT) teve 46,91% dos votos válidos; José Serra (PSDB), 32,61%; e Marina Silva (PV), 19,33%. Um resultado que nenhuma pesquisa previu, apesar de no fim todas mostrarem uma queda significativa da petista.
Especialistas apontam os escândalos envolvendo a ex-ministra da Casa Civil, Erenice Guerra, e o crescimento da Onda Verde de Marina, como os responsáveis pelo segundo turno. Na imprensa internacional, armou-se um verdadeiro alvoroço em torno do resultado. O diário financeiro Financial Times disse que a ex-ministra do Meio Ambiente foi “a única candidata que injetou vida” na disputa entre a “dama-de-ferro” (Dilma) e o “coveiro” (Serra).
Jornais de todo o globo afirmam que quem decidirá o rumo da eleição será a ambientalista. Ela é tratada nas reportagens e editoriais por expressões como “grande vencedora” da disputa, “fiel da balança” no segundo turno, detentora da “chave das eleições” brasileiras e de um capital político que “vale ouro”. Para os jornalistas, é o apoio declarado de Marina que fará a diferença. Claro que, até agora, ninguém considerou a possibilidade dela se manter neutra, o que é mais provável.
Porém, os especialistas desmentem essa teoria. O diretor para a América Latina do Eurasia Group, em Wahington, Christopher Garman, diz que a dinâmica do segundo turno é mais favorável para Dilma. “O cenário próspero do país, a figura do presidente e a ideia de continuidade do governo devem beneficiá-la”, afirma. Na verdade, a única certeza que há é que ambos os candidatos terão que negociar o programa ambientalista e a política de desenvolvimento sustentável da Amazônia.
Serra em sua nova estratégia de campanha deve manter um tom pacificador para tentar ganhar os eleitores de Marina. Porém, mesmo que o tucano arranque 80% dos votos dela não será capaz de vencer. Portanto, será necessário conquistar alguns de Dilma. Para isso deve mencionar o presidente e as recentes denúncias de corrupção que abalaram a candidatura da concorrente. A vitória é uma missão difícil, mas há quem diga que não é impossível.
Lula assumiu a campanha de Dilma, Serra foi atrás do apoio de Aécio e todos querem Marina. O que se pode esperar é uma verdadeira guerra. Uma queda de braço que será decidida somente no dia 31 de outubro. O maior desafio da petista será a ofensiva religiosa, católica e protestante, que se instaurou contra sua campanha. O do tucano será sua própria autoconfiança, que quase custou o segundo turno.
Padres e pastores realizam nas missas e cultos, assim como por cartas e na internet pregações contra o voto no Partido dos Trabalhadores (PT). Do outro lado, o tucano tem problemas em escolher um lado. Uma hora é irredutível e logo depois faz anúncios populistas. A verdade é que no primeiro turno houve dois narcisistas, autossuficientes de si, querendo a presidência. Agora ambos terão que colocar as cartas na mesa e mostrar a que vieram.

É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos e ilustrações, por qualquer meio, sem prévia autorização do FolhaOnline.es.

Tags:

Anúncio

Anúncio

Veja também

coronavac-instituto-butantan

Guarapari abre novo agendamento de segunda dose da Coronavac para profissionais da saúde

?

Anchieta promove 1º Mostra Cultural Aldir Blanc com apresentações on-line

Anúncio

Anúncio

temporada_de_inverno-es-2021-06-24

Governo do Estado entrega site sobre turismo capixaba, oficinas e novo circuito turístico

Setur lançou um conjunto de oficinas para o setor de turismo

situacao_de_rua_2021-06-23

Situação de Rua: o que pensam organizações de Guarapari que trabalham com essa população

Em Guarapari, parte da população têm notado um aumento de pessoas que encaram essa condição

Anúncio

Capacetes Elmo

Espírito Santo recebe doação de 158 capacetes ELMOs para pacientes com Covid-19

xepa vacina

Governo do Estado cria regras para “xepa” das vacinas nas cidades do ES

Orientação da Sesa é que as doses excedentes sejam utilizadas em quem pertence ao grupo contemplado ou para as pessoas da faixa etária seguinte

Anúncio