Anúncio

Entenda sobre a qualificação de risco que define ordem de atendimento no HFA

Por Glenda Machado

Publicado em 13 de abril de 2015 às 19:34
Atualizado em 13 de abril de 2015 às 19:34

Anúncio

Quando se deve procurar a unidade de saúde ou recorrer ao hospital?

hfa 3

 

O Hospital Francisco de Assis – HFA, esclarece à população de Guarapari sobre o Protocolo de Acolhimento e Classificação de Risco. É esse processo que define a ordem de atendimentos do hospital. Ele busca a identificação dos sintomas dos pacientes que procuram o pronto socorro, apontando a necessidade de atendimento de acordo com o grau de sofrimento e gravidade. Para isso, é utilizado um sistema de cores.

A gerente de enfermagem do Hospital Infantil Francisco de Assis – Hifa, Bruna Cipriano, explica que a cor vermelha indica risco altíssimo com necessidade de atendimento imediato. A cor laranja representa caso grave com risco significativo e necessidade de atendimento rápido. Já a amarela significa caso de gravidade moderada sem risco imediato. O verde e o azul indicam casos de menor urgência e que podem ser atendidos em unidades de saúde básica.

“Nossa demanda hoje é de 120 a 130 pacientes por dia, sendo que 90% dos casos são de atendimentos de atenção primária, ou seja, deveriam estar sendo atendidos nas unidades de saúde dos bairros. Nós seguimos o protocolo de acolhimento baseado em estudos científicos e quando identificados os casos de urgência e emergência são atendidos imediatamente. Esses são o foco do pronto atendimento. Mas a maioria são casos classificados como verde e azul”.

Para diminuir o tempo de espera hoje no hospital e a superlotação que tem acontecido nos últimos dias por conta das doenças respiratórias típicas da estação, a população precisa entender quando procurar a unidade de saúde e quando recorrer ao pronto atendimento. É o que destaca o superintendente do HFA, Jailton Pedrosa.

“Estamos vivendo um cenário caótico na assistência pediátrica em todo o país e a situação não é diferente no Espírito Santo. Em Guarapari, temos a satisfação de ter esse serviço 24 horas, com dois pediatras e às vezes até três. Mas a população precisa entender que a porta de entrada para o hospital é a unidade de saúde, onde o pediatra deve encaminhar os casos de urgência e emergência para o hospital. Agora diante da nossa demanda atual, cujos 90% dos casos não se enquadram em urgência e emergência, vamos ter uma desqualificação do serviço e quem sofre é a população”, explica o superintendente.

É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos e ilustrações, por qualquer meio, sem prévia autorização do FolhaOnline.es.

Tags:

Anúncio

Anúncio

Veja também

sergio_majeski_ellen_campanharo-ales

Covid-19: Indicação de Deputado orienta testagem em escolas com casos confirmados no ES

Indicação 390/21 orienta o teste e possível isolamento preventivo em escolas com casos confirmados de Covid-19 entre profissionais e alunos

Casagrande

Casagrande recebe convite para pré-candidatura à presidente

Anúncio

Anúncio

coletiva prefeitura

“A população precisa colaborar para não haver lockdown”, disse prefeito de Guarapari

Fachadas Pitágoras.com_

Guarapari: Faculdade Pitágoras disponibiliza mais de 100 cursos de extensão EAD gratuitos

Com inscrições até 10 de março, modalidade UP é direcionada a profissionais e estudantes no último semestre da graduação

Anúncio

guarapari_pesquisa_ouro_preto_pedras

Pesquisa da Universidade de Ouro Preto tem base em Parque de Guarapari

Projeto avalia durabilidade do concreto de escória de aciaria no Parque Morro da Pescaria

dentista-arquivo_folhaOnline

Em grupo prioritário, profissionais de odontologia de Guarapari não têm plano de vacinação contra Covid-19

Anúncio