Anúncio

Entrevista: individual x coletivo em meio à pandemia

Por Carolina Brasil

Publicado em 24 de dezembro de 2020 às 11:55
Atualizado em 25 de dezembro de 2020 às 15:46

Anúncio

Dra. Mara Vilma e Rubem Bernardes, o casal à frente do Unilabfácil. Foto: Divulgação

O fim do ano chegou; no começo, vivia-se a normalidade até que tudo mudou com as implicações diante da pandemia pelo novo Coronavírus. Ao mesmo tempo que a Covid-19 se espalhava pelo mundo e batia à porta, se iniciava muito estudo (ainda em andamento) e uma corrida pela vacina que pudesse pôr fim às medidas restritivas governamentais e as práticas de proteção de individuais. 2020 vai ficar na história e, para falar sobre esse cenário em meio à doença, a Farmacêutica Bioquímica, com mais de 30 anos de experiência e responsável pelo Unilabfácil, laboratório de análises clínicas com três unidades em Guarapari, Dra. Mara Vilma Silva Pinto Bernardes.

Dra. Mara, ao longo do ano, como percebeu a procura dos pacientes pelos exames para detectar a Covid-19?

Dra. Mara Bernardes: Logo no início, o medo era muito grande, não havia muita procura por este tipo de exame; depois, nos primeiros sintomas e quaisquer que fossem eles, as pessoas passaram a desejar saber se estavam com o vírus e a procura foi crescendo. Com a disseminação, o desejo passou a ser o de saber se estavam imunes, ou seja, se apresentavam os anticorpos IgG.

E quais são esses testes disponíveis?

MB: Temos basicamente três tipos de análise – teste rápido (para anticorpos e antígeno), sorológica e RT/PCR. Esse último, o mais preciso, ele identifica o material genético do vírus, quando resultado é ‘detectável’, significa que identificou esse material, a presença do vírus. Os testes sorológicos identificam os anticorpos alguns dias depois que o corpo entra em contato com vírus, e são divididos em dois tipos – anticorpo IgM, eficaz a partir de sete dias de sintomas, e anticorpo do IgG, que é o da imunidade, mas só detectável depois da fase a doença.

Mas essa ‘desejada’ imunidade ainda é muito incerta, procede?

MB: Sim.As dúvidas são muitas também. As pesquisas mostram que a imunidade para a Covid-19 não é permanente, os estudos indicam que ela é curta, inclusive. Alguns pacientes não produzem IgG e, quando produzem, não se sabe quanto tempo irá durar essa imunidade, e se esse tempo é o mesmo para todos. Os estudos acontecem contemporâneos à doença.

Vimos as medidas restritivas sendo afrouxadas e as pessoas mais descuidadas, como profissional da área de saúde, o que pensa a respeito?

MB: Como profissional de saúde, sei dos riscos e do perigo da doença; mas, o comprometimento da economia e também da saúde emocional das pessoas é muito preocupante; o afrouxamento foi necessário, mas as pessoas deveriam ter a consciência de como se comportar, é uma pandemia muito séria. A redução dos números deu uma falsa sensação de normalidade, e as pessoas passaram a se comportar como se não estivéssemos em meio a um vírus altamente contagioso e fatal. A falta de responsabilidade; pessoas circulando sem máscara; frequentando bares, socializando muito próximas e sem cuidados, fez com que chegássemos, infelizmente, no quadro que estamos agora.

As festas de fim de ano, verão, e o potencial turístico de Guarapari, podem formar uma combinação negativa em relação à doença, não é mesmo?

MB: Se recebermos turistas como em anos anteriores, podemos ter um fevereiro e março bem complicado com a doença. Desde já, as autoridades e a população precisam somar os esforços, fazer o que cabe a cada um de modo a contribuir para toda sociedade; não podemos permitir ou promover aglomeração. É fundamental não nos descuidarmos dos cuidados básicos – distanciamento social, higiene das mãos e uso de máscara. Será que só vamos mudar quando sentirmos na pele, contraindo a doença ou perdendo uma pessoa querida? Não precisa ser assim.

Para finalizar, o que pensa a respeito das vacinas em estudo, aprovação e o que os brasileiros podem esperar para uma política de imunização nacional?

MB: Sabemos que para esse tipo de situação a solução é a vacina; precisamos respeitar e confiar na seriedade das instituições envolvidas desde pesquisas, produção, até aprovação das vacinas. A ciência precisa de tempo para desenvolver soluções, e tivemos tudo isso feito em tempo recorde, mas essa seriedade não pode ser desprezada. Precisamos da vacinação em massa no Brasil, mas existem muitas dúvidas a respeito da política nacional de vacinação, ela precisa começar e torço para que seja o mais breve possível.

*Entrevista concedida ao site da Revista Sou

É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos e ilustrações, por qualquer meio, sem prévia autorização do FolhaOnline.es.

Anúncio

Anúncio

Veja também

Fachadas Pitágoras.com_

Guarapari: Faculdade Pitágoras disponibiliza mais de 100 cursos de extensão EAD gratuitos

Com inscrições até 10 de março, modalidade UP é direcionada a profissionais e estudantes no último semestre da graduação

guarapari_pesquisa_ouro_preto_pedras

Pesquisa da Universidade de Ouro Preto tem base em Parque de Guarapari

Projeto avalia durabilidade do concreto de escória de aciaria no Parque Morro da Pescaria

Anúncio

Anúncio

dentista-arquivo_folhaOnline

Em grupo prioritário, profissionais de odontologia de Guarapari não têm plano de vacinação contra Covid-19

novo lote vacinas

Novo lote com mais de 48 mil doses de vacina contra a Covid-19 chega ao ES

Doses da Coronavac chegaram na madrugada desta quarta (03). Parte da nova remessa (30,5%) será para idosos de 80 a 84 anos que ainda não foram vacinados

Anúncio

feira2021-02-19-at-15-24-00

Obras do Mercado do Produtor Rural em Guarapari tem previsão de término em maio

Visita Virtual Cheios da Graça1

Guarapari: “Cheios da Graça” oferece visitas virtuais a crianças internadas

Anúncio