Anúncio

Farmácias de Guarapari aderem campanha contra violência doméstica

A iniciativa oferece um canal silencioso para que vítimas denunciem os agressores durante a pandemia

Por Nicolly Credi-Dio

Publicado em 4 de julho de 2020 às 10:00
Atualizado em 5 de julho de 2020 às 12:20

Anúncio

Francini Moreschi Bergamini – Delegada titular da Delegacia da Mulher de Guarapari. Foto: Arquivo Pessoal

Para algumas mulheres, o manter-se em isolamento social significa passar mais tempo junto de seu agressor e, consequentemente, ter poucas oportunidades de denunciá-lo. Pensando nisso, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) lançaram, no mês de junho, a campanha “Sinal Vermelho para a Violência Doméstica”, que tem por objetivo oferecer um canal de denúncia silencioso para as vítimas. Farmácias de Guarapari aderiram à campanha e funcionários passaram por treinamento para aprender os procedimentos necessários. 

“A campanha foi criada após a constatação de que o índice de denúncias por violência havia reduzido drasticamente durante o período de isolamento social, em cerca de 50%, mas isso não se deve a uma queda real do número de casos e sim a uma subnotificação”, explica a delegada titular da Delegacia da Mulher de Guarapari, Francini Moreschi Bergamini. “Devido à pandemia, vítimas de violência doméstica deixaram de vir à delegacia e muitas não têm condições de realizar a denúncia em casa, por meio do telefone ou internet, mas as drogarias são um local comum nesse período”.

Por isso, a campanha “Sinal Vermelho para a Violência Doméstica” conta com a parceria de mais de 10 mil farmácias em todo o país. Em Guarapari, as drogarias credenciadas são: Santa Lúcia, Drogasil, ElloMais, Rede Farmes e Pague Menos. Os atendentes e farmacêuticos desses estabelecimentos comerciais foram instruídos, por meio de treinamento, a compreenderem uma denúncia silenciosa. Basta que a vítima mostre um “x” vermelho na palma da mão e informe o endereço e nome completo para que o funcionário realize a denúncia. Então, a Patrulha Maria da Penha, da Polícia Militar, se dirige ao endereço para verificar a denúncia e tomar as medidas cabíveis.

Dra. Mônica Silva Ferreira Goulart – Advogada e presidente da 4ª Subseção da OAB Guarapari. Foto: Arquivo Pessoal

Para a Dra. Mônica Silva Ferreira Goulart, presidente da 4ª Subseção da OAB-ES, a campanha é importante para conscientizar e alertar a população no sentido de que fique atenta a todo e qualquer sinal de violência doméstica. “Viabiliza que a vítima possa, por meios alternativos, pedir ‘socorro’ quando não puder comparecer perante a autoridade policial, ainda mais na situação atípica que temos vivenciado em razão da pandemia do Covid-19”, explica. 

A OAB Guarapari, por intermédio da Comissão da Jovem Advocacia, aprovou, na última reunião ordinária, a elaboração de ações em apoio a essa campanha, atingindo os três municípios que envolvem a 4ª Subseção: Guarapari, Anchieta e Alfredo Chaves.

O sinal vermelho na palma da mão, símbolo da campanha, tem sido utilizado para demonstrar apoio à causa. Confira abaixo algumas mulheres de Guarapari que se posicionaram a favor da campanha de combate à violência doméstica.

É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos e ilustrações, por qualquer meio, sem prévia autorização do FolhaOnline.es.

Anúncio

Anúncio

Veja também

2021_09_20-qualificar-es-galeria-Kainan-Juliana-e-tyago.JPG

Programa Qualificar ES realiza cerimônia de formatura em Guarapari

Praça Trajano (3)

Morador lamenta abandono da Praça Trajano Lino Gonçalves em Guarapari

Anúncio

Anúncio

projeto-escola-rural-2021-09-21-1

Escola Rural de Guarapari trabalha impacto da Educação Física para outras matérias e para a vida

Trabalho envolve professores de diversas matérias e incentiva inclusão e disciplina

ondas

Previsão de ondas de até 5 metros e ventos que podem chegar a 75 km/h no ES

Anúncio

vacina pfizer crianças

ES espera aval da Anvisa para vacinar crianças a partir de 3 anos contra Covid-19

O secretário de Saúde afirmou que a expectativa do governo é que a Sinovac e a Pfizer apresentem a documentação necessária para liberação da vacinação desse público até dezembro

vacinação adolecente

Guarapari vacinará adolescentes a partir dos 12 anos; o agendamento acontece hoje (21)

Anúncio