Anúncio

“O exemplo grita”, declara Rodrigo Chamoun sobre medidas de austeridade do TCE-ES

Com a redução de gastos com custeio e pessoal, o órgão deve economizar R$ 13,4 milhões

Por Carolina Brasil

Publicado em 21 de maio de 2020 às 14:27
Atualizado em 22 de maio de 2020 às 11:32

Anúncio

“Somos o segundo Tribunal de Contas mais econômico do país com despesa de pessoal”, Rodrigo Chamoun – conselheiro e presidente do TCE-ES

Nesta semana, o conselheiro e presidente do Tribunal de Contas do Estado do Espírito Santo (TCE-ES), Rodrigo Chamoun, assinou junto ao governador Renato Casagrande o Acordo de Contingenciamento que prevê a redução de até 20% do valor repassado mensalmente pelo Executivo ao órgão.

O acordo abrange os duodécimos dos meses de maio a dezembro deste ano e atende a necessidade de redução das despesas públicas em razão da perda de receita do Espírito Santo com as ações de prevenção ao avanço do novo Coronavírus (Covid-19). “Agora, é ainda mais importante um olhar criterioso para as despesas públicas. A estimativa de perda é de R$ 3 bilhões para o Estado e de R$ 1 bilhão na soma dos municípios”, destacou o presidente em entrevista ao folhaonline.es por telefone na noite dessa quarta-feira (20).

Nesse sentido, Chamoun comentou sobre as medidas adotadas pelo TCE-ES para reduzir os gastos internos. A economia nas despesas de custeio e de pessoal devem somar R$ 13,4 milhões.

“Já temos uma estrutura enxuta, somos o segundo Tribunal de Contas mais econômico do país com despesa de pessoal e gastamos 0,72% da nossa receita com esse custo, quando o teto é de 1,3%. Ainda assim, quando comparado a outros tribunais de contas, conquistamos excelência como guardião da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), tempestividade significativa nos julgamentos e notas de excelência em diversas áreas de atuação no controle externo. E, dentro da nossa trajetória de austeridade, buscamos alternativas para a situação atual. Só faz sentido cobrar algo que você pratica. O exemplo grita”, declarou.

Chamoun destacou o investimento do TCE-ES em tecnologia da informação dos últimos anos. Fotos: Arquivo pessoal

Os cortes em despesas de custeio têm relação com o atual cenário de teletrabalho. De acordo com as informações do presidente, que já esteve na vida política, foi vice-prefeito e candidato a prefeito em Guarapari, e deputado estadual por dois mandatos, o TCE-ES investiu muito em tecnologia da informação nos últimos anos, o que facilitou a mudança repentina no formato das atividades sem causar prejuízos a produtividade do órgão, ao contrário. “No comparativo dos meses de abril deste ano e de 2019, houve aumento de 43% de instruções processuais, por exemplo. E sobre esses investimentos em tecnologia da informação, temos números significativos: Até 2016, o tempo para acontecer o primeiro julgamento de um processo era de 40 meses, hoje são seis. Atualmente, no TCE-ES, até o trânsito final em julgado, quando não cabe mais recursos, o processo leva apenas dois anos. E não vamos parar por aí, para este ano temos a meta ambiciosa de zerar o estoque de processos. Queremos, ainda, ir além e não só saber se o percentual gasto está dentro da LRF, mas avaliar a efetividade dessa aplicação, os resultados”.

Paralelo a isso, o Tribunal de Contas do Estado do Espírito Santo possui três grupos de trabalho voltado ao momento de pandemia. Acompanhamento da gestão fiscal; Controle das contas e contratações emergenciais; e um hotsite voltado a atender as dúvidas dos gestores. “Queremos evitar o erro. Esse é um momento novo, desconhecido. Nesse canal, uma equipe técnica pesquisa a legislação vigente, a jurisprudência da Corte ou de outros Tribunais para atender as questões que chegam. A procura tem sido grande e as respostas rápidas”, finalizou.

Medidas de corte em custeio:

  • Redução dos contratos de terceirizados (copeiragem, recepção e limpeza e conservação;
  • Redução do contrato de gravação de sessão plenário e eventos;
  • Redução de gastos com diárias, contratação de instrutor, hospedagem e alimentação de instrutor, passagens aéreas, gravação de eventos;
  • Redução de diárias com fiscalização in loco (controle externo);
  • Redução de serviços de manutenção do imóvel;
  • Redução de combustível, manutenção da frota;
  • Redução de consumo de água da CESAN e de energia elétrica;
  • Redução do contrato de coleta de resíduos sólidos; e
  • Redução nos gastos com materiais impressos e de aquisição de materiais de consumo.

Medidas para reduzir os gastos com pessoal:

  • Redução da alíquota da contribuição patronal do RPPS de 22% para 14%;
  • Redução de gastos com suspensão de reestruturação de carreiras;
  • Redução de gastos com férias indenizadas de autoridades no período de julho a dezembro/2020;
  • Redução de gastos gratificação de instrutores; e
  • Redução de gastos com a suspensão de progressões e promoções nas carreiras, baseado no PLP 39/2020;
  • Redução com a suspensão do PAE (parcela autônoma de equivalência) de inativos e pensionistas.

É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos e ilustrações, por qualquer meio, sem prévia autorização do FolhaOnline.es.

Anúncio

Anúncio

Veja também

800px-Rugendas_indios

Palestra vai debater influência da cultura indígena no cotidiano de Guarapari

momento-dvd-banda-musical-prateado

Destaque em Anchieta e região, Musical Prateado completa 30 anos de carreira

Anúncio

Anúncio

artigo-paisagens-guarapari-1

Artigo: como tornar Guarapari um lugar mais atrativo e inesquecível

vitor-e-casagrande-educacao-20212

Governo do Estado anuncia criação de 40 novas escolas de tempo integral no Espírito Santo

Anúncio

imagens-artigo-lei-incentivo-ao-esporte

Artigo: os impactos da nova Lei Estadual de Incentivo ao Esporte

policia-civil_pc_viatura

Polícia prende suspeito de tentativa de homicídio em Guarapari

Anúncio