Anúncio

Rotativo cumpre suspensão e Prefeitura instaura Processo Administrativo contra a empresa

Por Glenda Machado

Publicado em 23 de abril de 2018 às 16:55
Atualizado em 23 de abril de 2018 às 17:16
Anúncio

A manhã desta segunda-feira (23) começou diferente das semanas anteriores. É que a empresa Vista Group (VGN), que opera o sistema rotativo na cidade, não realizou a cobrança por vagas de veículos. A ausência dos funcionários da empresa foi motivada pelo cumprimento da decisão feita pelo Juiz Gustavo Marçal de Silva e Silva, da Vara da Fazenda Pública que determinou a suspensão do serviço e do contrato feito com a Prefeitura Municipal de Guarapari.

Empresa cumpriu a decisão e não atuou na cidade nesta segunda-feira (23)

Em entrevista coletiva, realizada na última sexta-feira (20), a Prefeitura de Guarapari, por meio da Secretaria Municipal de Postura e Trânsito explicou que diante da má prestação do serviço e das inúmeras reclamações dos usuários instaurou procedimento administrativo para apurar as irregularidades cometidas pela empresa concessionária do serviço público de estacionamento rotativo.

Foram feitas várias constatações, entre elas a ausência de pagamento da outorga onerosa correspondente a 34% dos valores arrecadados pela empresa, o não pagamento ISS, a falta de cumprimento das determinações do decreto municipal, que estabelece as vias públicas que terão o serviço.

De posse dessas constatações foi instaurado o procedimento administrativo e a empresa foi notificada. A secretaria Claudia Martins disse que no contrato de concessão a empresa tem que se manter da mesma forma que se apresentou no início da prestação do serviço.  “Em caso de descumprimento deve ser notificada para manifestação e regularização das irregularidades num prazo de 30 dias”, disse.

Durante esse período, em que a situação se agravou, o vereador Marcos Grijó instaurou uma Ação Civil Pública em que o município foi colocado como parte passiva no processo. “Como o município já estava fiscalizando e apurando essas irregularidades, solicitou-se o ingresso no polo ativo, ou seja, o município também é autor desta ação popular”, completou a secretária.

Para o vereador Marcos Grijó essa é uma vitória para a população de Guarapari que assistia e sofria os abusos do contrato. “A concessão é extremamente mal administrada e sem a fiscalização do município. Uma empresa que não paga aos seus funcionários, que não paga ao município os impostos devidos, que não respeita lei federal de obrigatoriedade das vagas preferenciais de deficientes e idosos. Realmente, a vitória é nossa população de Guarapari”, comemorou. A sentença ainda determina uma multa no valor de 50 mil por dia em caso de descumprimento por parte da empresa VGN.

Paralelamente o procedimento administrativo do município segue em curso. Estando a empresa dentro do prazo de defesa. Após este prazo, o município irá julgar o procedimento administrativo e todos os dados serão juntados aos documentos no processo judicial.

Procurada para falar sobre a decisão a empresa Vista Group (VGN), disse apenas que vai recorrer da decisão.

É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos e ilustrações, por qualquer meio, sem prévia autorização do FolhaOnline.es.

Tags:

Anúncio
Anúncio

Veja também

Foto: Reprodução

Mais uma morte pelo novo Coronavírus em Guarapari

Dos 3.742 moradores de Guarapari que contraíram o vírus, 3.470 estão curados 8 hospitalizados e 124 vieram a óbito

fora edson

Guarapari: placa com #ForaEdson é retirada, mas autor recorre contra decisão judicial

Anúncio
Anúncio
Júlio César

STF julga processo iniciado por universitário de Guarapari

Júlio César Carminati deu início ao pedido de Habeas Corpus coletivo em 2018

cesan-guarapari

Cesan nega comunicado de paralisação de abastecimento para Anchieta e Guarapari

Anúncio
Bárbara Hora

Conheça as propostas dos candidatos à prefeitura de Guarapari: Bárbara Hora

Litza Aoni (2)

Advogada cria loja com produtos à base de cannabis, em Guarapari

Anúncio