Anúncio

Suspensa liminar que obrigava Câmara de Guarapari a marcar sessão para apreciar o Orçamento

Por Redação Folhaonline.es

Publicado em 6 de junho de 2020 às 09:31

Anúncio

camara 2 550x482 1 - Suspensa liminar que obrigava Câmara de Guarapari a marcar sessão para apreciar o Orçamento
Foto: Arquivo Folha.

A Câmara Municipal de Guarapari não é mais obrigada judicialmente a marcar uma sessão para apreciar os vetos ao Orçamento 2020. A decisão é do Desembargador Relator do Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJ-ES), Walace Pandolpho Kiffer que concedeu uma liminar para a Casa de Leis na última quinta-feira (04).

O efeito suspensivo dado no momento do conhecimento do recurso, derruba a decisão do juiz Gustavo Marçal da Silva a Silva que, liminarmente, sem ouvir a Câmara, primeiramente, atendia ao pedido do Executivo para que o presidente marcasse uma sessão específica para votar os vetos do Executivo ao Orçamento.

O desembargador tomou esta decisão após analisar o recurso impetrado pela Câmara em que foi provado documentalmente que a Casa de Leis já havia marcado a votação do Orçamento antes mesmo da liminar do juiz que favorecia a prefeitura. A Câmara alegou e provou que não houve omissão do presidente, já que ele já tinha levado os vetos para a pauta por duas vezes antes da decisão. Quando a decisão saiu, já tinha sido marcada a 3ª sessão para discussão do veto, portanto, o presidente cumpria rigorosamente o que diz o regimento interno.

Vale ressaltar que na primeira tentativa, a base do prefeito se retirou do plenário no momento em que o presidente da Comissão Permanente de Economia e Finanças, vereador Marcos Grijo, estava com a palavra pedindo vistas do veto para melhor análise. Nas demais sessões que se sucederam, quatro ao todo, não houve quórum para a abertura da sessão, tendo a discussão sido adiada para sexta-feira (05), depois de mais uma convocação extraordinária realizada pelo presidente.

De acordo com a decisão do desembargador, a Câmara tem independência para marcar a votação. ” Assim, inobstante o pleito de efeito suspensivo integral, pelas razões demonstradas, entendo pelo seu deferimento parcial, somente quanto a obrigação de convocação, mantendo, entretanto, incólume o sobrestamento das demais proposições até que seja concluída a votação, nos termos do artigo 67, § 6°, da Lei Orgânica Municipal de Guarapari“, diz a decisão do desembargador.

*Com informações: Assessoria de Comunicação da Câmara de Guarapari.

É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos e ilustrações, por qualquer meio, sem prévia autorização do FolhaOnline.es.

Anúncio

Anúncio

Veja também

WhatsApp-Image-2024-07-18-at-14.56.06

Cruzamentos da Praia do Morro já registraram mais de 30 acidentes de trânsito neste ano

Número equivale à metade das colisões no bairro

Forro-Bobo-2023-13

Balneário de Iriri, em Anchieta, recebe 16ª edição do Forró Bobó neste fim de semana; confira a programação

De 19 a 21 de julho, evento vai reunir música e gastronomia

Anúncio

Anúncio

falta-de-agua-e-um-problema-politico-2-1024x683-1024x585

Governo do Estado declara Estado de Atenção para situação hídrica no ES

Medida foi tomada devido à falta de chuvas e estiagem nos últimos meses

Joao-Hadad-em-A-Grande-Conquista-2

Guarapariense João Hadad disputa final de reality show da Record

Final acontece nesta quinta (18)

Anúncio

casa-sinestescia-2024

Casa Sinestésica oferece Oficina de Desenho gratuita nesta quarta (17) em Guarapari

Com o tema Autorretrato, atividade tem vagas limitadas

IMG_9800-1

Terra dos Dinos: Guarapari deve ganhar filial do ‘Jurassic Park brasileiro’ em 2025

Parque temático, no RJ, possui diversas atrações e 40 modelos de dinossauros em tamanho real

Anúncio