Anúncio

Abandono X Entrega Voluntária Para a Adoção

Por Redação Folhaonline.es

Publicado em 5 de abril de 2019 às 15:00
Atualizado em 22 de abril de 2019 às 09:03

Anúncio

Por Rosânia Maria da Silva Soares (*) Advogada – OAB/ES 22.061

Imagem Ilustrativa

A entrega voluntária de um filho à adoção ainda é um tema pouco divulgado, principalmente, pela idealização de que, ao se tornar mãe, a mulher tem em si aflorado um amor incondicional que a constrange a abrir mão de tudo que a afaste da função primordial de nutrir e proteger o filho.

Vários fatores como a falta de recursos financeiros, desemprego, gravidez indesejada, ser muito jovem, falta de apoio familiar e do genitor, dependência química, ou mesmo a ausência do tal “instinto maternal’, contribuem para que uma mulher desista da maternidade. Nesse contexto, o peso do julgamento da sociedade e a desinformação a conduz ao caminho que lhe parece adequado: o abandono do filho, na expectativa que ninguém descubra e a considere um monstro.

O Código Penal Brasileiro criminaliza o abandono impondo pena de prisão que varia de acordo com as diferentes formas, assim sendo: O abandono de incapaz, de recém-nascido, material e intelectual*.

Então, o que fazer se não possuo nenhuma condição de criar o meu filho? Devo mantê-lo comigo mesmo passando necessidades ou sem condições psíquicas/emocionais para exercer a maternidade?

Não! A Lei 8.069/1990 prevê a entrega voluntária para a adoção como uma forma excepcional cuidado, preocupação pela vida dessa criança e pelo desenvolvimento dela. Nessa situação, a mãe/gestante deve ir ao Fórum da cidade onde reside, na Vara Especializada da Infância e Juventude (se houver), para que a equipe técnica, que é composta também por psicólogos e assistentes sociais, dê suporte e orientações nesse delicado momento.

Tal ato de amor, faz com que o filho encontre uma família substituta o mais rápido possível, evitando que fique por tempo desnecessário em instituições de acolhimento. Em toda cidade existem centenas de famílias legalmente habilitadas e preparadas para dar todo amor e sustento necessário a uma criança.

Abandonar o filho é crime, entregá-lo legalmente para a adoção, não!

* Artigos 133,134, 244 e 246 do Decreto Lei 2.848/1940.

(*) Rosânia Maria da Silva Soares: Conselheira da Comissão da Mulher Advogada da 4ª Subseção da OAB/ES; Secretária do Grupo de Apoio a Adoção Gerando com o Coração – GAAGCC; Palestrante/Consultora Jurídica e Fomentadora de Políticas Públicas sobre a Adoção. Contato: [email protected]

É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos e ilustrações, por qualquer meio, sem prévia autorização do FolhaOnline.es.

Tags:

Anúncio

Anúncio

Veja também

situacao_de_rua_2021-06-23

Situação de Rua: o que pensam organizações de Guarapari que trabalham com essa população

Em Guarapari, parte da população têm notado um aumento de pessoas que encaram essa condição

Capacetes Elmo

Espírito Santo recebe doação de 158 capacetes ELMOs para pacientes com Covid-19

Anúncio

Anúncio

xepa vacina

Governo do Estado cria regras para “xepa” das vacinas nas cidades do ES

Orientação da Sesa é que as doses excedentes sejam utilizadas em quem pertence ao grupo contemplado ou para as pessoas da faixa etária seguinte

procurados-2021-06-23

Polícia Militar divulga 5 criminosos de Guarapari procurados pela Justiça

Caso tenha informações, população pode ajudar a polícia através do Disque-Denúncia (181)

Anúncio

Eco 101 - duplicação

Duplicação: desvio de tráfego em Anchieta para construção do viaduto de acesso a Alfredo Chaves

vacinacao_50-mais-gri2021-06-12

Guarapari realiza novo agendamento para pessoas acima de 40 anos

Anúncio