Anúncio

Abandono X Entrega Voluntária Para a Adoção

Por Redação Folhaonline.es

Publicado em 5 de abril de 2019 às 15:00
Atualizado em 22 de abril de 2019 às 09:03
Anúncio

Por Rosânia Maria da Silva Soares (*) Advogada – OAB/ES 22.061

Imagem Ilustrativa

A entrega voluntária de um filho à adoção ainda é um tema pouco divulgado, principalmente, pela idealização de que, ao se tornar mãe, a mulher tem em si aflorado um amor incondicional que a constrange a abrir mão de tudo que a afaste da função primordial de nutrir e proteger o filho.

Vários fatores como a falta de recursos financeiros, desemprego, gravidez indesejada, ser muito jovem, falta de apoio familiar e do genitor, dependência química, ou mesmo a ausência do tal “instinto maternal’, contribuem para que uma mulher desista da maternidade. Nesse contexto, o peso do julgamento da sociedade e a desinformação a conduz ao caminho que lhe parece adequado: o abandono do filho, na expectativa que ninguém descubra e a considere um monstro.

O Código Penal Brasileiro criminaliza o abandono impondo pena de prisão que varia de acordo com as diferentes formas, assim sendo: O abandono de incapaz, de recém-nascido, material e intelectual*.

Então, o que fazer se não possuo nenhuma condição de criar o meu filho? Devo mantê-lo comigo mesmo passando necessidades ou sem condições psíquicas/emocionais para exercer a maternidade?

Não! A Lei 8.069/1990 prevê a entrega voluntária para a adoção como uma forma excepcional cuidado, preocupação pela vida dessa criança e pelo desenvolvimento dela. Nessa situação, a mãe/gestante deve ir ao Fórum da cidade onde reside, na Vara Especializada da Infância e Juventude (se houver), para que a equipe técnica, que é composta também por psicólogos e assistentes sociais, dê suporte e orientações nesse delicado momento.

Tal ato de amor, faz com que o filho encontre uma família substituta o mais rápido possível, evitando que fique por tempo desnecessário em instituições de acolhimento. Em toda cidade existem centenas de famílias legalmente habilitadas e preparadas para dar todo amor e sustento necessário a uma criança.

Abandonar o filho é crime, entregá-lo legalmente para a adoção, não!

* Artigos 133,134, 244 e 246 do Decreto Lei 2.848/1940.

(*) Rosânia Maria da Silva Soares: Conselheira da Comissão da Mulher Advogada da 4ª Subseção da OAB/ES; Secretária do Grupo de Apoio a Adoção Gerando com o Coração – GAAGCC; Palestrante/Consultora Jurídica e Fomentadora de Políticas Públicas sobre a Adoção. Contato: [email protected]

É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos e ilustrações, por qualquer meio, sem prévia autorização do FolhaOnline.es.

Tags:

Anúncio
Anúncio

Veja também

edson

Guarapari: Edson Magalhães continua na frente em nova pesquisa da Rede Vitória/Futura

Gedson Merizio (PSB) apresentou um crescimento de mais de 47%, em comparação à última pesquisa

Foto: Divulgação / PCES

Dono de sorveteria é preso em Guarapari, após receptar carga roubada

A carga de materiais descartáveis, avaliada em R$50 mil, havia sido roubada em Vila Velha

Anúncio
Anúncio
imagem 28-10

PM recupera veículo e apreende arma em Guarapari

WhatsApp Image 2020-10-29 at 16.23.15 (1)

Instituto oferece curso gratuito para moradores de Guarapari

Além dessa nova turma, o Instituto Vinde oferta outros cursos profissionalizantes e serviços em diversas áreas

Anúncio
curso-astronomia-alberto-brum-novaes-1200x630

Alunos de Anchieta são classificados para segunda fase da Mostra de Astronomia do ES

praia do morro

Guarapari: Praia do Morro já contabiliza 541 casos e 13 mortes decorrentes da Covid-19

Anúncio