Anúncio

Castanheiras da Praia do Morro serão cortadas

Por Aline Couto

Publicado em 22 de março de 2018 às 11:54
Atualizado em 22 de março de 2018 às 14:34
Anúncio

Na segunda audiência pública, na noite de ontem (21), referente ao corte das Castanheiras na Praia do Morro e na Prainha de Muquiçaba, terminou com a certeza que as duas árvores próximas ao Morro da Pescaria serão realmente eliminadas. A Câmara de Vereadores de Guarapari recebeu moradores dos dois bairros e suas associações em mais uma tentativa de revisão dos projetos para a não remoção das árvores nos locais.

Estiveram presentes na Câmara, a Comissão de Meio Ambiente, Agricultura e Pesca da Câmara Municipal de Guarapari, os vereadores Marcos Grijó, Denizart Zazá, o presidente da Comissão, vereador, Thiago Paterlini e Lennon Monjardim, vereador da Comissão de Obras, além da  secretária de Meio Ambiente e Agricultura, Thereza Cristina, a secretária de Análise e Aprovação de Projetos, Milena Moreira e outros servidores da Prefeitura.

Segunda audiência pública sobre o corte das Castanheiras com vereadores, populares e representantes da Prefeitura. Foto: Aline Couto.

Os vereadores e algumas pessoas que estavam no plenário, fizeram uma sabatina às secretárias pedindo explicações sobre os projetos e o porquê da necessidade do corte dessas árvores.  Mas os apelos e os abaixo assinados com mais de mil assinaturas não foram suficientes para a mudança do projeto do Centro Cultural e Turístico na Praia do Morro.

Os vereadores haviam feito questionamentos na primeira reunião pública, além das Castanheiras, com relação à ordem de serviço do projeto do Centro Cultural e Turístico no Morro da Pescaria e a obra da Prainha. O que vai funcionar? Foi apresentado ao Conselho de Turismo? Porque mudar o Ciac de lugar? E o videomonitoramento, qual custo da remoção? Como ficam os pescadores na Prainha? E o sobre o elevador do banheiro subterrâneo, como fica a manutenção? Como nenhum representante da Prefeitura compareceu neste dia, as respostas ficaram para a noite de ontem.

Associação e moradores de Muquiçaba e PDM compareceram ao plenário. Foto: Aline Couto.

As secretárias responderam que o corte das árvores já consta no Plano de Manejo do Morro da Pescaria e que mesmo não tendo às obras no local as duas Castanheiras terão que ser retiradas por prejudicarem outros espécimes do Parque. “Nosso biólogo Rivelino explicou que as Castanheiras são exóticas e não nativas e que elas são espécimes invasoras fazendo mal a unidade de conservação do Morro. São 17 árvores no Parque nascidas a partir das castanhas levadas por animais, provenientes dessas duas Castanheiras”.

Sobre os questionamentos da primeira reunião, a arquiteta, urbanista e engenheira da Prefeitura, Juliana Breda, respondeu a alguns. “O nosso funcionário responsável pela tecnologia da informação falou que não haverá necessidade de realocar a antena do videomonitoramento porque a transmissão é por fibra ótica. Sempre colocamos mais árvores no local da obra do que as existentes no projeto original. E com relação ao elevador do banheiro subterrâneo da Prainha, ele é especial para os deficientes físicos para haver acessibilidade, portanto será pouco usado e não terá muita necessidade de manutenção constante”.

Ainda segundo a arquiteta, o Ciac é uma estrutura móvel e pode ser realocada em outro lugar, já que sua equipe será transferida para o antigo Stay e que o projeto desta obra foi apresentado no Conselho de Turismo, que não concordou com a transferência do videomonitoramento e com o corte das Castanheiras. “Não houve aprovação, mas apresentação”

Em certo momento, os ânimos se exaltaram e a secretária Milena acusou os parlamentares de estarem fazendo do plenário um palanque. Em resposta, Paterlini disse que nenhum dos vereadores ali sentados seriam candidatos a nenhum cargo e que estavam apenas fazendo seu papel de ouvir as reivindicações da população.

Associação e moradores de Muquiçaba e PDM compareceram ao plenário. Foto: Aline Couto.

Ao final da audiência, os parlamentares falaram que algumas dúvidas foram esclarecidas e que agora o ofício com os abaixo assinados serão encaminhados ao executivo para que o mesmo não pense só na vaidade e interesses próprios visando apenas a visibilidade e beleza do empreendimento se sobrepondo a necessidade da população de sombra, local de atividades físicas, principalmente para idosos e crianças, mantendo assim as árvores.

A presidente da Associação de Moradores da Praia do Morro, Fátima Fonseca, relatou que a associação vai entrar com um pedido junto à Secretaria de Meio Ambiente e Agricultura de Guarapari, para que sejam plantadas árvores adultas, para já irem crescendo, com o objetivo de minimizar as consequências de mais corte de árvore na Praia do Morro.

É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos e ilustrações, por qualquer meio, sem prévia autorização do FolhaOnline.es.

Tags:

Anúncio
Anúncio

Veja também

coronavírus-550x309-1

Covid-19: 169 pessoas são consideradas doentes em Guarapari

IMAGEM PARA COMPOR O ARTIGO

Artigo: Acordos extrajudiciais trabalhistas em tempo de pandemia

Anúncio
Anúncio
WhatsApp Image 2020-10-05 at 18.57.20

Casal de Guarapari faz sucesso com artesanatos esculpidos em madeira

Angélica Paixao Escola (1)

Escola de Guarapari cria o ‘Clube de Leitura Virtual’

Anúncio
anchieta 2

Anchieta passa para categoria “Baixo” em 28º Mapa de Risco para Covid-19

bf569277-2023-4ee7-a03d-d1fb0d222d70

Morre aos 91 anos Afrodísio Gomes, policial militar mais antigo de Guarapari

O enterro ocorreu nesta tarde (23) e contou com a presença de diversos membros da Polícia Militar, que prestaram homenagens

Anúncio