Anúncio

Contaminação da água com poluentes emergentes é foco de novo estudo no Brasil

Por Gabriely Santana

Publicado em 12 de fevereiro de 2016 às 18:00
Atualizado em 12 de fevereiro de 2016 às 19:34

Anúncio

Pesquisadores do Instituto Aplysia em conjunto com especialistas da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) e do Governo do Estado do ES, por meio de Cesan e Iema, iniciaram a elaboração de um projeto científico, pioneiro no Brasil, que em dois anos pode começar a identificar e analisar quais poluentes, em especial os novos contaminantes, estão impactando a qualidade da água, a quantidade desses produtos e os principais efeitos para vida aquática e humana.

A primeira reunião técnica  contou com a participação de um dos mais renomados especialistas em proteção da água no mundo, o professor, doutor e pesquisador do Instituto de Avaliação Ambiental e Estudos Hídricos de Barcelona (IDAEA-CSIC), na Espanha, Damià Barceló, com o objetivo principal de trazer as experiências de sucesso da Europa e os desafios no tema.

De acordo com Barceló, a cada dia surgem poluentes novos, ou seja, que a legislação não abrange. “São remédios, produtos de higiene pessoal, pesticidas modernos, teflon, que na Europa já sabemos que em grande quantidade causam problemas endócrinos em peixes, por exemplo, masculinizam fêmeas e feminilizam machos”.

“A Fluoxetina diminui a libido e impacta a reprodução de várias espécies, há outros medicamentos que geram mudança no comportamento dos peixes. Identificar e controlar esses novos químicos é um desafio”, pontua Barceló.

E se os efeitos nos peixes já são notórios, é bem provável que os impactos na espécie humana também existam e sejam significativos, como explica a presidente do Instituto Aplysia, a bióloga Tatiana Furley.

“Existem similaridades entre os efeitos observados nos peixes e nos humanos, por isso os peixes são bons indicadores não só sobre a qualidade da água em si, mas também sobre a relação de efeito do consumo daquela água por pessoas”.

“E estamos vivendo um agravante! A disponibilidade hídrica é bem menor com perspectivas de uma escassez de água prolongada. Assim, temos novos e mais tipos de contaminantes sendo lançados em um ambiente com cada vez menos água e menor capacidade de diluição”, complementa o diretor institucional do Instituto Aplysia, Robson Melo.

Premiado com o internacional “Recipharm Environmental Prize” por seu trabalho com poluentes emergentes e compostos farmacêuticos que afetam o meio ambiente, o pesquisador do IDAEA-CSIC, ressalta que um dos caminhos importantes é o tratamento diferenciado dos descartes dos hospitais, unidades de saúde e clínicas e logística reversa dos medicamentos vencidos. Os países europeus já conseguiram avançar nessa questão: os hospitais já têm seu sistema de tratamento de esgoto individual e as farmácias já recebem os medicamentos vencidos para destinação adequada.

“Os indicadores de presença de antibióticos e anti-inflamatórios na água são altos. Parte pelo consumo e eliminação na urina e fezes, parte pelas sobras de medicação que muitos jogam no esgoto ou no lixo, e grande parte pelos efluentes hospitalares quando eram diretamente lançados na rede doméstica. Esse é o ‘hot-point’.

Uma boa tecnologia evita que muitos desses contaminantes impactem os rios. Nossa batalha agora é para que as unidades menores de saúde também sejam obrigadas a implantar o sistema”, conta Barceló.

É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos e ilustrações, por qualquer meio, sem prévia autorização do FolhaOnline.es.

Tags:

Anúncio

Anúncio

Veja também

violao_e_cordas_reproducao-2021-06-12

Beatles é repertório para concerto de violão e cordas em Guarapari na noite de hoje (12)

Concerto acontece na antiga Igreja Matriz, às 18h

arrtigo_direito-2021-06-12-1

Artigo: a atuação de pessoas negras no judiciário brasileiro

Anúncio

Anúncio

recanto_da_sereia-2021-06-12-1

Cansados de ver lixo, moradores de Guarapari limpam rua por conta própria

Moradores do bairro Recanto da Sereia realizaram mutirão para limpar local de descarte inadequado de lixo

Praia do Morro em tarde nublada. Previsão de chuva.

Fim de semana dos namorados seguirá frio em Guarapari

Anúncio

expresso_lorenzutti-onibus_saude

Sindicato afirma: 100% dos ônibus voltam a circular em Guarapari na segunda-feira (14)

vacinacao_50-mais-gri2021-06-12

Covid-19: Guarapari abre agendamento para pessoas acima de 50 anos e profissionais da educação

Anúncio