Anúncio

Editorial 130: Difícil de entender…

Por Livia Rangel

Publicado em 11 de maio de 2015 às 12:52
Atualizado em 11 de maio de 2015 às 12:52
Anúncio

Não somos especialistas no assunto, mas também não precisa ser nenhum cientista político-econômico para perceber que algo está errado na regularização dos terrenos em Guarapari. Difícil mesmo é entender como se deixou chegar a esse ponto e mais difícil ainda parece ser encontrar meios e soluções para resolver esse problema que acaba se tornando não só de cunho administrativo, mas também sócio-ambiental e – ouso dizer – até político. É como se diz aquele velho e sábio ditado: “tudo o que começa errado, termina errado”.

Nesta edição, trazemos duas reportagens que comprovam essa desorganização quando o assunto é uso e parcelamento do solo no município. Uma trata-se da situação desumana vivida por 274 famílias no loteamento em Santa Arinda, em Nova Guarapari. Depois de 40 anos vivendo no local com água e luz clandestinas – não que esteja correto – mas simplesmente bate-se o martelo que anula o decreto de regularização e manda despejar mais de mil pessoas para implantar um parque público municipal.

Diante desta decisão, foram cortados os “gatos” e mais de mil pessoas vivem, ou melhor, sobrevivem sem luz há sete meses em pleno século XXI. Essas mesmas pessoas que possuem contrato de compra em venda dos lotes; que pagam seus impostos em dia porque não deixam de ser cobrados, sendo loteamento regular ou não; que estão ali há 10, 20, 30, 40 anos – tempo que já lhes garante direito à propriedade do terreno por usucapião. É dentro deste contexto de muita bagunça e confusão que surgem as dúvidas.

Se é um parque municipal, porque a prefeitura permitiu o loteamento? Se não permitiu e se trata de uma invasão, cadê a fiscalização? Por que agora, depois de quatro décadas, que os órgãos públicos resolveram se manifestar? Se não pode regularizar a área, como a administração municipal emite boletos de IPTU? Nós, como leigos no assunto, não temos como trazer todas as respostas, mas podemos, pelo menos, com a reportagem colocar cada leitor para refletir sobre o assunto e então tirar suas próprias conclusões conforme manda o bom e ético jornalismo.

É ou não é difícil de entender? Ainda mais quando se olha para o vizinho e se depara com outro grande empreendimento na mesma região de preservação ambiental do entorno da Lagoa de Nova Guarapari. Trata-se nada mais, nada menos, de um super condomínio de luxo. Então, surge mais uma dúvida: será que estamos falando de regularização do uso do solo ou de desvalorização de investimentos? Você já ouviu aquela história do primo pobre e do primo rico? Seria hipocrisia fazer essa mera comparação?

Na outra reportagem mostramos a luta dos moradores para regularizar um loteamento onde fazem o meio de campo entre o poder público e o dono do empreendimento. Estamos falando do Residencial Beira-Mar, em Meaípe. Mais precisamente no entorno da Lagoa de Mãe-Bá. A mesma prefeitura que aprovou o projeto há quase 20 anos, é a mesma que agora cobra cumprimento de critérios ambientais para a regularização. E novamente nos perguntamos: cadê a fiscalização durante todo o trâmite de aprovação do loteamento?

Resumindo, mais uma vez o fardo cai sobre o colo do mais fraco – o cidadão, ou poderíamos dizer, daqueles que são as vítimas da falta de organização da administração pública. O que é até irônico, porque é justamente essa administração que deveria estar aqui para colocar ordem na casa. Assim como o de garantir os serviços públicos básicos e, diga-se de passagem, público só no nome, porque cada cidadão paga muito bem os impostos. Afinal, neste caso, independente se é rico ou pobre, os impostos batem à porta de todos.

É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos e ilustrações, por qualquer meio, sem prévia autorização do FolhaOnline.es.

Tags:

Anúncio
Anúncio

Veja também

Foto: Divulgação

Vagas abertas no Hospital Estadual de Urgência e Emergência

Entre os benefícios estão assistência médica, odontológica, refeição no local, seguro de vida, vale transporte e alimentação

dupla Alfredo

Cantores de Alfredo Chaves e Iconha são classificados para final de concurso musical

Anúncio
Anúncio
teste-rapido-coronavirus-covid19-1

Número de mortos por Coronavírus em Guarapari chega a 88

A mais recente vítima fatal da doença residia no bairro

maus tratos

Moradora de Guarapari alega que mãe sofreu maus tratos em hospital na Serra

Anúncio
wally capa

Morador de Guarapari, jovem com autismo impressiona por talento artístico

Wally, que mora em Porto Grande, cria obras realistas e sonha em ter a arte como profissão

BR-101-Gri-Viana-2-550x367

Tráfego é desviado no viaduto do trevo de Guarapari para finalizar as obras

Anúncio