Anúncio

Ex-gerente processa patrões e é condenada por má fé em Guarapari

Por Redação Folhaonline.es

Publicado em 23 de janeiro de 2018 às 17:45
Atualizado em 24 de janeiro de 2018 às 10:32

Anúncio

por Aline Couto

A Justiça avaliou uma ex-gerente de loja de roupas de Guarapari que alegou fatos que não são verdadeiros, e por isso foi condenada na Justiça do Trabalho a indenizar sua ex-patroa em R$ 1 mil por má-fé. A empresa também teve penalidade aplicada, e foi condenada a pagar por dias trabalhados nas férias e diferenças de FGTS. Ainda cabe recurso. De um lado, a dona da empresa a acusou de ter furtado a loja; de outro, a ex-funcionária alega que não recebia diversos direitos trabalhistas e trabalhava sob más condições.

Foto: Divulgação.

A história, que virou de tribunal, acontece desde 30 de maio de 2016, quando uma cliente pagou parte de uma compra com cartão de crédito e parte em cheque. A ex-funcionária registrou no livro de caixa só o cartão. Alguns dias depois, a cliente voltou à loja afirmando que o cheque havia sido devolvido por “inconsistências”. A dona da loja observou que não havia registro do pagamento. Ao questionar a ex-gerente, ela explicou que havia esquecido e que guardou o cheque para depositar. Mas seu irmão, que seria viciado em crack, teria lhe roubado o cheque.

A empresária analisou as filmagens da loja e percebeu que um dia antes, no dia 30 de maio, a ex-funcionária havia feito duas vendas sem registro e teria guardado o dinheiro da compra em sua bolsa. A dona da loja juntou um CD com as gravações do interior da loja ao processo. A ex-funcionária alegou que não registrou o dinheiro por determinação da patroa, que a teria mandado transferir o montante para um filho no Canadá. Mas, segundo o juiz, a ex-empregada não conseguiu provar isso. O CD foi entregue à ex-gerente durante o processo, mas, segundo o magistrado, ela não o devolveu.

Para comprovar as acusações de que as empregadas eram maltratadas, a ex-funcionária também entregou um CD de áudio à Justiça, que continha uma gravação entre ela e uma testemunha que trabalhava na empresa. Segundo a decisão, a gravação da conversa foi  clandestina e sem autorização da testemunha, e a ex-empregada estava tentando induzir de forma enganosa e imoral a testemunha a concordar que as empregadas eram maltratadas. A ex-funcionária alegava que a patroa mexia em sua bolsa.

Esse foi um dos motivos que levou a Justiça do Trabalho, em Guarapari, a condenar a ex-funcionária a pagar R$ 1 mil à empresa em que trabalhava, por má-fé. Os outros motivos são ter pleiteado o pagamento de horas extras, mesmo afirmando que a patroa as pagava corretamente, e não ter devolvido o CD.

Foto: Divulgação.

Segundo o advogado Alberto Nemer, que representa a empresa, após o ocorrido, a funcionária entrou de férias, e tirou uma licença médica. Quando deveria voltar, ajuizou essa ação na Justiça do Trabalho, onde pedia rescisão indireta, e deixou de comparecer na empresa.“Ficou provado nos autos que a ex-funcionária alterou a verdade dos fatos. Em razão disso, foi aplicada uma multa por tentar induzir o juiz ao erro”, afirmou o advogado.

A advogada Alice Cardoso de Menezes, que representa a trabalhadora, afirmou que não foi intimada da sentença e não poderia, portanto, falar a respeito.

 

PONTOS DA SENTENÇA

Promoção

O que foi alegado: a ex-funcionária pede retificação da Carteira de Trabalho, ao ser promovida a gerente em 2009.

O que disse o juiz: a empresa diz que ela foi promovida em 2011, como anotado na carteira. O pedido foi rejeitado.

Horas extras

O que foi alegado: horas extras trabalhadas não eram pagas, e o trabalho aos sábados era extenuante.

O que disse o juiz: durante o processo, a própria funcionária confessou que as horas extras eram pagas.

Intervalo intrajornada

O que foi alegado: ela diz que não tinha intervalo para almoço, e pede o pagamento de 2h diárias como extras.

O que disse o juiz: a empresa diz que havia intervalo. A testemunha da ex-funcionária afirma que ela falava que usava o almoço para ir ao banco, mas a testemunha não estava com ela nessas horas. Para o juiz, não houve comprovação.

Trabalho aos domingos e feriados

O que foi alegado: ela diz que não recebeu adicional de 100% e nem teve folga após o trabalho.

O que disse o juiz: a empresa comprovou o pagamento e a funcionária não comprovou que trabalhou sem folga.

Férias

O que foi alegado: não teria direito a férias de forma regular, apenas a 15 dias, e não recebia o pagamento adiantado.

O que disse o juiz: a empresa foi condenada ao pagamento dos 15 dias de salário trabalhados quando a funcionária deveria estar de férias e a dobra entre 2011 e 2015.

FGTS

O que foi alegado: o FGTS deixou de ser recolhido por diversos meses.

O que disse o juiz: a empresa confessa ter tido atrasos, mas mostrou extrato que consta a quitação até julho de 2016. Terá que pagar as diferenças do FGTS.

Justa causa

O que foi alegado: pede que a demissão mude de justa causa para rescisão indireta, já que trabalhou em acúmulo e desvio de função; sofreu ofensas verbais e trabalhava em condições desumanas.

O que disse o juiz: Foi negado por ter cometido falta grave, a retirada não autorizada de valores da empresa. A funcionária não comprovou o desvio de funções nem condições de trabalho desumanas.

Imposto de Renda

O que foi alegado: A funcionária alega que caiu na malha fina do Imposto de Renda e não recebeu as restituições porque a empresa reteve o tributo, mas não o recolheu.

O que disse o juiz: Para o juiz, a funcionária não comprovou que o problema em seu IR foi provocado pela empresa.

Dano moral

O que foi alegado: a ex-funcionária diz que era acusada de roubo por qualquer erro de soma ou perda de peças de roupas; que quando vendia muito, a empresária achava ruim, pois a comissão ficava alta; que a dona da loja afixava cartazes que diziam “contrata-se vendedora”, como forma de ameaçar as empregadas, e que tinha o hábito de revirar sua bolsa às escondidas.

O que disse o juiz: rejeitou por não haver provas. Destaca que a ex-funcionária era uma pessoa de confiança da dona, e que o episódio do cheque teria estremecido a relação. A dona foi madrinha de casamento da ex-funcionária e a empregada montou sua própria loja de roupas próximo ao local de trabalho, sem oposição da empresária.

Com informações: gazetaonline

É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos e ilustrações, por qualquer meio, sem prévia autorização do FolhaOnline.es.

Tags:

Anúncio

Anúncio

Veja também

Edital-de-Convocacao-Risa

RISA – Edital de Convocação

pp

Rifa arrecada recursos para manter tratamento de criança de Guarapari

Hoje com 1 ano e 5 meses, a pequena Aruna nasceu com Síndrome de Edwards

Anúncio

Anúncio

Turismo em Guarapari tem expectativa de 50% de retomada neste ano

Representantes do setor turístico acreditam que a vacinação contra a Covid avançando, o setor tende a retomar os números positivos a partir do segundo semestre deste ano

jardineiro-vaga-sine-anchieta-2021-06-24

Sine de Anchieta tem 34 vagas com 25 oportunidades para moradores de Guarapari

Anúncio

coronavac-instituto-butantan

Guarapari abre novo agendamento de segunda dose da Coronavac para profissionais da saúde

?

Anchieta promove 1º Mostra Cultural Aldir Blanc com apresentações on-line

Anúncio