Anúncio

Família de Guarapari organiza vaquinha online para criança com problema muscular

Por Sara de Oliveira

Publicado em 9 de julho de 2019 às 18:29
Atualizado em 9 de julho de 2019 às 18:46

Anúncio

O objetivo é arrecadar recursos para o procedimento cirúrgico do Adryan Cabral, de três anos, que sofre com uma rigidez muscular desde os oito meses de idade.

Adryan Cabral tem três anos de idade. Foto: Arquivo Pessoal/Indaiara.

Os familiares de Adryan Cabral, de três anos, estão organizando uma força tarefa para ajuda-lo a realizar um procedimento cirúrgico. A criança sofre com Espasticidade, que é uma rigidez muscular, desde os oito meses de idade e precisa fazer uma cirurgia de alto custo para reverter o problema. Para arrecadar os recursos necessários da cirurgia, a família, que mora no bairro Kubitschek, em Guarapari, organizou uma Vaquinha Online.

A técnica de enfermagem Indaiara Cabral, mãe de Adryan, explicou que o menino nasceu saudável, mas a partir dos cinco meses de idade ela e o marido começaram a perceber que a criança tinha algum problema nas pernas. “Nós o levamos ao pediatra e ele nos pediu para observar se isso passaria com o tempo. Só que, aos oito meses, percebemos que ele continuava com a dificuldade. Não conseguia sentar nem engatinhar, o que já é normal nessa idade”, afirmou.

De acordo com Indaiara, a partir de então, o filho foi encaminhado ao neurologista e ortopedista, quando foi constatado que a criança provavelmente passou por um Acidente Vascular Cerebral (AVC) intrauterino. “A ressonância não indica nenhuma sequela no cérebro dele, mas de acordo com os médicos, a única explicação para essa rigidez muscular é o AVC”, explicou. A mãe ressalta que hoje Adryan tem dificuldade para se equilibrar. “Ele não consegue andar sozinho, apenas se apoiando em alguma coisa”, informou.

Foto: Reprodução.

Indaiara contou que a ideia de realizar a vaquinha online surgiu há cerca de 15 dias, quando Adryan realizou uma consulta com um especialista em problemas de Espasticidade, em Joinville. No local, o médico informou que a rigidez muscular do menino está no nível quatro de uma classificação que vai de 1 a 5. “O doutor explicou que ele está com o grau bem elevado e se chegar ao nível cinco, não conseguirá andar porque provocaria um atrofiamento dos músculos”, declarou.

Para que o problema seja revertido, Adryan precisa passar por uma cirurgia minuciosa na coluna, que possui um custo elevado. “Nós temos que correr contra o tempo para que ele não passe para o próximo grau, mas só o procedimento cirúrgico custa R$ 95 mil, fora os gastos com o hospital”, afirmou a mãe. Indaiara enfatizou que uma das maiores dificuldades é lidar com a sensação de impotência. “Ele vira pra mim e fala que quer andar, porque ele tá começando a perceber que as outras crianças conseguem fazer algumas coisas e ele não. Eu me sinto a pior pessoa do mundo por não conseguir atender ao pedido dele”, ressaltou.

Quem tiver interesse em ajudar pode acessar o link da vaquinha online ou através da conta bancária da família.

Link da vaquinha

Banco: Caixa Econômica federal

AG: 0881

OP: 013

CP: 00037282-2

Indaiara Janaina Guedes Cabral

É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos e ilustrações, por qualquer meio, sem prévia autorização do FolhaOnline.es.

Tags:

Anúncio

Anúncio

Veja também

coronavac-instituto-butantan

Guarapari abre novo agendamento de segunda dose da Coronavac para profissionais da saúde

?

Anchieta promove 1º Mostra Cultural Aldir Blanc com apresentações on-line

Anúncio

Anúncio

temporada_de_inverno-es-2021-06-24

Governo do Estado entrega site sobre turismo capixaba, oficinas e novo circuito turístico

Setur lançou um conjunto de oficinas para o setor de turismo

situacao_de_rua_2021-06-23

Situação de Rua: o que pensam organizações de Guarapari que trabalham com essa população

Em Guarapari, parte da população têm notado um aumento de pessoas que encaram essa condição

Anúncio

Capacetes Elmo

Espírito Santo recebe doação de 158 capacetes ELMOs para pacientes com Covid-19

xepa vacina

Governo do Estado cria regras para “xepa” das vacinas nas cidades do ES

Orientação da Sesa é que as doses excedentes sejam utilizadas em quem pertence ao grupo contemplado ou para as pessoas da faixa etária seguinte

Anúncio