Anúncio

Gastos com salva-vidas de Guarapari saem das obrigações da Saúde

A Prefeitura de Guarapari, de forma irregular, usou a verba atribuída por lei para quitar gastos com saúde para a compra de equipamentos de salvamento marítimo e contratação de guarda-vidas ao longo dos dos anos de 2017 e 2018

Por Redação Folhaonline.es

Publicado em 22 de julho de 2020 às 09:45
Atualizado em 22 de julho de 2020 às 18:56
Anúncio

Após decisão obtida pelo Ministério Público de Contas, as despesas com o serviço de salvamento marítimo de Guarapari não poderão ser computadas nos recursos vinculados à área da saúde, a partir do próximo exercício. A sessão virtual foi julgada e realizada na última sexta-feira (17), pela 1ª Câmara do Tribunal de Contas do Estado do Espírito Santo (TCE-ES).

A representação apontou a utilização de recursos destinados às ações e serviços de saúde para o pagamento de despesas com guarda-vidas no município de Guarapari, nos exercícios de 2017 e 2018, embora essa atividade esteja relacionada à área de segurança pública.

No curso do processo, a prefeitura informou que propôs à Câmara Municipal projeto de lei para alterar a Lei Complementar 102/2017, no sentido de alocar as atividades administrativas relacionadas ao serviço de salvamento marítimo no âmbito da Secretaria Municipal de Turismo, Empreendedorismo e Cultura.

O MPC tomou conhecimento do caso após o recebimento de documentos encaminhados pela 1ª Promotoria de Justiça Cível de Guarapari.

Na decisão, a Corte de Contas acolheu o argumento do MPC e considerou irregular o uso de recursos da saúde para custear despesas com salvamento marítimo. Da mesma forma, determinou que, até que a alteração na legislação municipal seja efetivada e a partir do próximo exercício, o atual gestor do município de Guarapari passe a destacar essas despesas do orçamento da saúde e compense o Fundo Municipal de Saúde com recursos próprios, ou exclua os valores utilizados para custear as atividades de salvamento marítimo do cálculo constitucional da aplicação mínima em saúde.

Apesar da irregularidade, os conselheiros deixaram de aplicar multa ao prefeito de Guarapari, Edson Figueiredo Magalhães, seguindo o MPC e a área técnica, devido ao município ter cumprido a aplicação do mínimo constitucional em saúde no período e porque a inclusão da referida despesa no orçamento da Secretaria Municipal de Saúde seguiu entendimento expresso na legislação municipal em vigor desde 2006.

*Com informações do Ministério Público de Contas do Estado do Espírito Santo.

É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos e ilustrações, por qualquer meio, sem prévia autorização do FolhaOnline.es.

Anúncio
Anúncio

Veja também

juliate

Cantora de Guarapari é alvo de ataques racistas na internet e família cobra justiça

Familiares formalizaram a denúncia e esperam que o autor do crime seja responsabilizado

Foto: Reprodução

Sesi e Senai ES estão com inscrições abertas para cursos online gratuitos

Os cursos do Senai possuem carga horária de 14h e abrangem as áreas de Automotiva, Construção Civil, Energia, Gestão, Informática, Logística, Meio Ambiente, Metalmecânica, Segurança do Trabalho, entre outras

Anúncio
Anúncio
multiplique2

Pizza Solidária: dinheiro arrecadado vira cestas básicas para famílias carentes de Guarapari

A ação acontece desde março e já gerou doação de quase quatro toneladas de alimentos

camara-2-550x482

Vereadores aprovam isenção de IPTU para ONGs de Guarapari

Anúncio
Captura de tela 2020-09-17 164812

Campanha do Hifa Guarapari arrecada máscaras para pacientes e acompanhantes

“Doe máscaras salve vidas” conta com a solidariedade em meio a pandemia

educação

Alfredo Chaves é um dos municípios capixabas com melhor desempenho no Ideb

A cidade destacou-se por superar a meta projetada para o ano de 2019 e por estar classificado nas primeiras posições no ranking estadual

Anúncio