Anúncio

Grupo acima dos 60 anos adere a corrida e ao treinamento funcional em Guarapari

Por Aline Couto

Publicado em 26 de maio de 2021 às 17:10
Atualizado em 27 de maio de 2021 às 16:36

Anúncio

Para aqueles que acham que a prática de esportes de impacto tem limite de idade, esse grupo que conversou com o folhaonline.es irá desmitificar essa informação. Benilde, 72 anos; Elmo, 74; Vera, 61; Sônia, 60 anos e José Aldemiro, que completa 60 anos este ano; praticam juntos o treinamento funcional na Praia do Morro, em Guarapari, e são adeptos da corrida ao ar livre. Todos participaram de competições e já ganharam troféus e medalhas.

Benilde e Elmo

Fotos: TeamFR Assessoria Esportiva.

O casal Maria Benilde e Elmo Vicente de Souza é o mais experiente da turma, ambos começaram nesses esportes de forma tardia. Ela com 69 anos e ele com 72.

Dona Bebê, como é carinhosamente chamada, achava que não era capaz de correr por conta de problemas na coluna. “Achava o máximo, mas não tinha coragem. Aí eu e meu marido fomos para o funcional, ambos para melhora na saúde, e fui devagar começando a correr. Com o tempo o medo foi indo embora e comecei a acreditar que era possível. A minha primeira corrida foi muito difícil, mas para a minha alegria ganhei o terceiro lugar na faixa etária. Me animou ainda mais!”, descreve feliz.

Benilde já fazia caminhadas e nunca usou a idade como problema para qualquer atividade. “A idade nunca me incomodou, minha cabeça sempre foi a frente do meu tempo. Meu pensamento é que tenho 15 anos e pronto. O que atrapalhava era o medo de piorar a coluna. Hoje digo foi a melhor decisão, eu e Elmo corremos juntos, cada um no seu limite. Nunca digo que não posso e nem me comparo aos outros, só quero me superar. Não pretendo parar jamais. Aconselho a corrida a todos, inicia na caminhada até sentir a segurança de começar a correr. Nós melhoramos muito nossa saúde. A corrida é muito gratificante e me deu amigos de todas as idades”.

Elmo já achava que com a idade que tinha não teria mais condições de praticar exercícios físicos, mas descobriu que não havia esse impedimento.

Ele contou que sempre gostou de esportes e tentava jogar futebol apesar de não levar muito jeito. “Por volta dos 50 anos parei com qualquer tipo de esporte. E aos 72 senti necessidade de fazer alguma coisa. Em 2018 comecei a fazer funcional na areia e nessa época não conseguia correr nem 100 metros. Após três meses de treino fiz minha primeira prova de 5 km e consegui o troféu e a medalha de primeiro lugar na faixa etária acima de 70 anos. Hoje, com quase 75 anos, já foram mais de 20 provas. Depois que comecei as atividades físicas minha saúde melhorou muito, me sinto mais leve e disposto. Sem contar que quando o casal faz junto melhora ainda mais. Quero continuar correndo enquanto tiver forças para andar”.

Vera

Vera Lúcia Lobato Dias está sempre animada e disposta. Mas se engana quem acha que ela sempre praticou atividade física. “Eu nunca fiz esporte nenhum! Quando cheguei aos 59 anos comecei a sentir muitas dores no corpo e uma amiga me chamou pra fazer funcional na praia. Em 2019 comecei os treinos. Como sou muito agitada, os esportes ao ar livre foram ideais para me manter saudável. Logo depois, veio a corrida. Me identifiquei e em momento nenhum a idade atrapalhou o meu desempenho. Na minha primeira fui campeã na minha categoria”.

Sobre os benefícios que ela ganhou com o esporte, ela lista a perda de peso, o sumiço das dores no corpo e o controle da ansiedade sem a necessidade de remédios.  “Daqui para frente tenho a pretensão de mais conquistas, ainda quero ganhar muitas medalhas. E digo a todos, jamais desistam dos objetivos mesmo sendo difíceis. Já passei por momentos que pensei em parar, mas continuei com foco e determinação”.

Sônia

A história de Sônia Maria Macedo Vargas Freitas no grupo é recente. Apesar de já ter frequentado academia durante anos, a corrida para o local diariamente que instigou a entrada no esporte. Ela garante que a idade nunca atrapalhou na atividade física, além de ter o privilégio de sempre contar com o apoio dos filhos.

“Quando cheguei em Guarapari comecei a correr na areia cerca de uma hora quase todos os dias. Logo depois iniciei o treino funcional e a corrida com o time. Foi a melhor coisa, a equipe é animada e me incentivou muito. Nos meus primeiros 5 km competindo conquistei o primeiro lugar na minha faixa etária. Estou adorando o esporte ao ar livre, ajuda na disposição, na qualidade do sono e na autoestima. É uma conquista diária, já foram muitas vitórias, mas quero alcançar desafios maiores. Independente da idade, todos somos capazes. Não podemos nos acomodar com o sedentarismo”.

Miro

O carioca José Aldemiro Campos Soares, mais conhecido como Miro, está perto de se tornar um sexagenário, mas afirma que a disposição e a alegria de viver seguem as mesmas. “Sempre pratiquei vôlei e futebol de forma esporádica, mas o que mais me realizava era a corrida de rua por ser um esporte de impacto que só dependia de mim, o que me permitia uma maior frequência e rotina de dedicação”.

Miro começou a praticar a corrida de rua em 1987, no Rio de Janeiro. “Participei de muitas corridas de 6km, meias maratonas de 21km, chegando até a participar de uma maratona. Com o passar do tempo tive várias lesões e isso foi me desmotivando. Em 2018, quando vim morar em Guarapari, resolvi voltar a correr. Naquele ano estava acima do peso, com diabetes e hipertensão, e foi um início muito difícil”.

Em novembro de 2020, Miro entrou para o treinamento funcional e corrida. E em cinco meses já notou grande avanço. “Minhas taxas e a qualidade de vida melhoraram muito, além de ter eliminado 12 kg juntando dieta e atividade física. Hoje aos 59 anos me sinto muito melhor, com disposição e motivado para continuar me desafiando. Super indico aos jovens acima dos 60. Sou muito grato ao time e a toda turma. Não pretendo nunca mais parar, tamanho os benefícios para saúde que tenho colhido”.

É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos e ilustrações, por qualquer meio, sem prévia autorização do FolhaOnline.es.

Anúncio

Anúncio

Veja também

rambutan-1

Rambutan: fruta exótica no Brasil é produzida em Guarapari

De origem asiática, o fruto é encontrado na propriedade do José Antônio Ofrante, em Rio Claro

Crimes virtuais

Artigo: crime virtuais; como se proteger e denunciar

Anúncio

Anúncio

guara-de-ouro-gri-2021-09-18-2

Guará de Ouro: solenidade homenageia lideranças locais e do ES que trabalham por Guarapari

capa_Medidor-de-velocidade-radar-FernandoMadeira-ales

Assembléia aprova lei que proíbe radares ocultos em estradas do ES

Anúncio

73o-MAPA-DE-RISCO-20.09-a-26.09

Governo do Espírito Santo divulga 73º Mapa de Risco Covid-19

vacina_es

Guarapari abre novo agendamento para terceira dose de vacina da Covid-19

Serão atendidos idosos com 60 anos ou mais que tomaram segunda dose de qualquer vacina da Covid-19 há cinco meses ou mais

Anúncio