Anúncio

Grupos fazem vigília em homenagem a mulher assassinada em Guarapari

Por Redação Folhaonline.es

Publicado em 5 de fevereiro de 2019 às 09:19
Atualizado em 5 de fevereiro de 2019 às 14:31
Anúncio

O ato aconteceu domingo (03), na pracinha de Muquiçaba e contou com a presença de representantes do judiciário.

O encontro foi na pracinha de Muquiçaba. Fotos: Divulgação.

Na noite de ontem (03), coletivos feministas de Guarapari realizaram uma vigília em homenagem a Maria da Conceição Santos, que foi assassinada recentemente no bairro Pontal de Santa Mônica. O ato, que foi realizado pelos coletivos Mulheres que Lutam, Maratimba, Abayomi, Delas e contou com representantes do judiciário, do Fórum de Mulheres do ES e do Conselho Estadual da Mulher, aconteceu na pracinha de Muquiçaba, as 18h.

Kamillan Benevenuto, que representa o Coletivo Mulheres que Lutam, disse que, na vigília, foi realizada uma roda de conversa sobre o caso. “A homenagem foi muito bonita. Nós levamos cartazes, falamos o nome dela e ainda discutimos sobre a violência e o assassinato contra mulheres em condição do gênero”, contou.

A servidora pública enfatizou a relevância do ato. “Além de homenagear a Maria da Conceição, nós queríamos mostrar à sociedade que nós estamos vigilantes e atentas para o que está acontecendo com essas mulheres. O intuito é trazer mais pessoas para os coletivos e estimular a denúncia de qualquer tipo de violência”, explicou.

Os coletivos ainda escreveram uma carta denúncia, que, segundo Kamillan, será enviada à 4ª subseção da OAB-ES. “No documento, nós pedimos que sejam tomadas as medidas cabíveis e que os órgãos competentes sejam cobrados para a organização de uma estrutura para essas mulheres que sofrem todos os dias com a violência”, destacou.

Os grupos fizeram uma roda de conversa no local.

Coletivo Mulheres que Lutam

Um dos coletivos feministas presentes na homenagem foi o Mulheres que Lutam, que surgiu em setembro do ano passado. Kamillan, que é fundadora do grupo, disse que os encontros são realizados uma vez por mês, e neles, as integrantes discutem artigos acadêmicos e livros relacionados ao feminismo.

Kamillan disse que, atualmente, os encontros acontecem em locais privados, mas o objetivo é ocupar mais lugares públicos. “O coletivo é aberto, qualquer pessoa que quiser contribuir com as discussões pode entrar em contato pelo Instagram do grupo, para que a gente possa informar os dias e horários das reuniões”, explicou.

Instagram: @lutamulher

Texto: Sara de Oliveira

Anúncio
Anúncio

Veja também

corona

Coronavírus: Guarapari registra 12º óbito e mais 10 casos da doença

A vítima fatal da doença residia no Centro

CTA

Centro de Testagem e Aconselhamento vira alvo de denúncias em Guarapari

Anúncio
Anúncio
Lucineia Santos de Souza. Foto: Arquivo Pessoal

Moradora de Guarapari já produziu e doou mais de 500 máscaras para famílias carentes

Com um saco de retalhos e um rolo de elástico, Lucineia Santos resolveu ajudar pessoas em situação de vulnerabilidade social a se protegerem da Covid-19

homicidio

Número de homicídios no ES reduz em maio e atinge melhor número dos últimos 24 anos

Anúncio
abertura de em presas

ES está entre os 12 estados com menor tempo de espera para abertura de novas empresas

cão4

Pandemia faz número de adoção de cães e gatos crescer em Guarapari