Anúncio

Guarapari mais caro do que Minas – a solução são saladas, peixes e sucos

Por Redação Folhaonline.es

Publicado em 28 de janeiro de 2018 às 17:30
Atualizado em 24 de janeiro de 2018 às 16:23

Anúncio

 

Antônio Ribeiro (*)

Em artigo anterior (O turismo econômico) comentei que os preços em Guarapari são bem menores do que os do Rio, São Paulo e Curitiba, mas infelizmente a maioria dos turistas que frequenta regularmente a Cidade Saúde, não são cariocas, paulistas ou paranaenses. São mineiros e nestes, mais os do interior.

Estive do Natal ao Ano Novo em Muriaé, Barbacena, Tiradentes, Santa Cruz, Caxambu e São Lourenço, quando percebi que os preços de comidas e bebidas são bem mais baratos do que os que temos em Guarapari. Aí entendi porque muitos mineiros trazem o porta malas cheio de mantimentos e pouca roupa como pede o calor. Que fazer? Diferenciar! Como? Com aquilo que temos de melhor e mais abundante: verduras, legumes, peixes e frutas.

Temperaturas altas como as do litoral, combinam mais com saladas frias, sendo estas bem mais apropriadas ao bem estar e a busca por um conceito de saúde. A proposta é simples: chefs, que estão na moda, produzirem saladas com visual convidativo, temperos diferenciados e azeites apropriados. Pouco sal para baixar a pressão e muito visual. Estas seriam as entradas. Peixe o prato principal, aproveitando nossa variedade de espécies e preparos, principalmente os assados e grelhados.

Para a bebida, se o cliente pedir cerveja, ouse e ofereça uma taça de vinho branco gelada. Aos que pedirem refrigerantes, comente que temos um suco de melancia ou abacaxi que vai surpreender. Alguns ficarão na cerva ou no refri. Os que provarem, farão uma semana ou mês de desintoxicação, voltando sem espumas ou gases. Na hora da sobremesa, ao invés do sorvete farto, oferecer uma salada de frutas de época, com uma bola de sorvete de livre escolha.

Com estas iniciativas, os custos aos restaurantes diminuirão consideravelmente e as margens aumentarão, sem que o preço final seja maior do que uma refeição típica de Minas. Quem mais se beneficiará serão os que mais precisam: os produtores de frutas, verduras e legumes. O canal de distribuição está na moda nas grandes cidades: as lojas de horti fruti, sem falar dos que vendem frutas em caixas e carrinhos que abundam em nossas calçadas, dando trabalho a muitos que tem só isso para viver.

Aproveitando que o momento é favorável pelas matérias do Fantástico, Jornal Nacional e ESTV,  é oportuno lembrar que tudo isso produzido na região de Guarapari, tem um baixo e apropriado índice de radiação, que cientificamente é benéfica a saúde. Tudo isso somado farão cada vez mais de Guarapari a Cidade Saúde!

(*) O autor é especialista em marketing, viveu em Porto Alegre, São Paulo e Curitiba, esteve em todos os estados brasileiros, a exceção de Acre, Roraima e Amapá, ministrou cursos em todos os países da América Latina, menos nas três Guianas, escreveu o Guia de Férias e Feriadões e outros 46 livros.

É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos e ilustrações, por qualquer meio, sem prévia autorização do FolhaOnline.es.

Tags:

Anúncio

Anúncio

Veja também

WhatsApp-Image-2021-06-18-at-13.15.02

Artigo: uma Guarapari diferente por usar melhor os seus templos ociosos

o-que-e-um-curso-profissionalizante-descubra-aqui

Qualificar ES abre 101 vagas em cursos presenciais, com oportunidades para Anchieta

Anúncio

Anúncio

IMAGEM-DE-DESCRIÇAO-DO-ARTIGO

Artigo: empréstimo consignado não autorizado; como cessar descontos e pedir indenização

bicicleta-ciclismo-pixabay-2021-06-19

Espírito Santo tem média de cinco bicicletas furtadas por dia

A Secretaria Estadual de Segurança Pública informou que o índice caiu em comparação ao ano passado

Anúncio

Tempo segue nublado no fim do outono em Guarapari e região

Temperaturas, entretanto, podem ficar um pouco mais altas

cover-painel-covid-19-2021-06-19

Painel Covid-19: Guarapari ultrapassa 15 mil casos, mas média de óbitos diminui

Média móvel de óbitos, que atingiu máximo de 74,9 em abril, está em 19,07

Anúncio