Anúncio

Liminar suspende decisão do TCE que rejeita contas de 2012 do prefeito de Guarapari

Por Aline Couto

Publicado em 23 de julho de 2019 às 15:53
Atualizado em 23 de julho de 2019 às 16:14

Anúncio

A liminar foi emitida na última quinta-feira (12) pelo juiz Marcelo Mattar Coutinho

Foto: Arquivo/Folha.

Após ter as contas municipais da gestão de 2012 rejeitadas pelo Tribunal de Contas de Estado do Espírito Santo (TCE-ES), o prefeito de Guarapari, Edson Magalhães entrou com uma solicitação de suspensão dos efeitos da decisão. Na semana passada, o chefe do executivo teve seu pedido atendido através de uma liminar do juiz de direto Marcelo Mattar Coutinho, da Vara Da Fazenda Pública Estadual, Municipal, Registros Públicos e Meio Ambiente. As contas foram enviadas para a Câmara de Guarapari para serem votadas e, caso os vereadores decidissem pela rejeição junto ao TCE-ES, Edson Magalhães poderia ficar inelegível.

De acordo com o TCE, a rejeição das contas de 2012 se justifica pelos gastos com a educação terem atingido 24,17% ao invés dos 25% estipulados. O prefeito se defende dizendo que no ano citado a educação teve o investimento de 26,19% e que houve um erro no cálculo realizado pela Corte de Contas ao não utilizar como base de cálculo o que efetivamente foi recebido pelo município, considerando os descontos de IPTU. Ele ainda acrescenta que os repasses e pagamentos efetuados ao Instituto de Previdência do Município de Guarapari, relativo às despesas com inativos e pensionistas da pasta de educação no valor de R$ 1.458.952,68 milhão não foram considerados.

Segundo o juiz, o procedimento de análise das contas deve respeitar as garantias constitucionais, sobretudo as relativas à ampla defesa e ao contraditório. Para o magistrado, a justificativa apresentada pelo prefeito foi rejeitada com a afirmação de que o requerente não demonstrou quais seriam estes valores e não detalhou ou demonstrou qual seria o percentual, conforme seu levantamento.

Foto: Reprodução.

“Entretanto, diante das graves consequências que um processo de rejeição de contas pode trazer para o gestor, faltou ao TCEES oportunizar ao gestor que detalhasse e demonstrasse o percentual ou se utilizado do corpo técnico para aprofundamento da questão, redundando, no meu sentir, a priori, em cerceamento ao direito de defesa do autor. A prova documental até então colacionada aos autos, traz como provável o direito do autor no sentido de que a receita líquida é menor do que a que foi considerada pelo TCEES”, diz parte do documento.

“Diante do exposto, DEFIRO o pedido de tutela de urgência, para suspender o Parecer Prévio TC 130/2018, tão somente na parte em que determina a sua emissão à Câmara Municipal de Guarapari recomendando a rejeição das contas do Município, relativas ao exercício de 2012, sob responsabilidade do autor”, finaliza o juiz.

Decisão

É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos e ilustrações, por qualquer meio, sem prévia autorização do FolhaOnline.es.

Tags:

Anúncio

Anúncio

Veja também

?

Anchieta promove 1º Mostra Cultural Aldir Blanc com apresentações on-line

temporada_de_inverno-es-2021-06-24

Governo do Estado entrega site sobre turismo capixaba, oficinas e novo circuito turístico

Setur lançou um conjunto de oficinas para o setor de turismo

Anúncio

Anúncio

situacao_de_rua_2021-06-23

Situação de Rua: o que pensam organizações de Guarapari que trabalham com essa população

Em Guarapari, parte da população têm notado um aumento de pessoas que encaram essa condição

Capacetes Elmo

Espírito Santo recebe doação de 158 capacetes ELMOs para pacientes com Covid-19

Anúncio

xepa vacina

Governo do Estado cria regras para “xepa” das vacinas nas cidades do ES

Orientação da Sesa é que as doses excedentes sejam utilizadas em quem pertence ao grupo contemplado ou para as pessoas da faixa etária seguinte

procurados-2021-06-23

Polícia Militar divulga 5 criminosos de Guarapari procurados pela Justiça

Caso tenha informações, população pode ajudar a polícia através do Disque-Denúncia (181)

Anúncio