Anúncio

O Limbo Jurídico Previdenciário Trabalhista

Por Redação Folhaonline.es

Publicado em 4 de maio de 2019 às 15:00
Atualizado em 3 de maio de 2019 às 13:13
Anúncio

Por Jacqueline Souza Rodrigues (*) Advogada – OAB/ES 30.014

Imagem Ilustrativa

O Limbo jurídico previdenciário trabalhista, ocorre quando há controvérsia entre empregador, obreiro e o INSS, em relação a aptidão do empregado para retornar ao trabalho. A divergência pode surgir entre os laudos, exames e acompanhamento médico do empregado, pela avaliação realizada pelo médico do trabalho da empresa, que atesta que o obreiro está inapto para retornar ao labor e, em contrapartida à perícia do INSS que concede alta ao empregado, por considera-lo apto para retornar ao trabalho.

Com o início da “operação pente fino”, inúmeros benefícios previdenciários foram revistos e cancelados e, muitas vezes, mesmo diante de laudos, e exames médicos atestando a incapacidade do segurado os peritos da Autarquia previdenciária tem cessado os benefícios, em decisões totalmente contrarias a necessidade do trabalhador.

A alta previdenciária, faz o contrato de trabalho voltar a sua normalidade, cabendo ao obreiro, rapidamente se apresentar ao empregador, isso porque, o Tribunal Superior do Trabalho  tem o entendimento firmado, que após a cessação do  benefício previdenciário por incapacidade, o trabalhador deve se reapresentar dentro do prazo de 30 (trinta) dias a empresa,   para retornar a suas atividades laborais, ainda que tenha recorrido da decisão que cessou seu benefício, caso isso não ocorra há presunção de abandono de emprego é o que reza Súmula 32 TST.

Portanto, o obreiro deve retornar ao trabalho e, o empregador aceita-lo, pois, a decisão que cessa o benefício previdenciário, tem presunção de veracidade e, a óbice do empregador em receber o obreiro, após a alta médica, não coaduna com os princípios constitucionais da dignidade humana e do valor social do trabalho, pois o obreiro fica sem fonte de subsistência.

Ademais, o empregador tem legitimidade e interesse processual, para propor ação regressiva reversa, contra o ato praticado pelo INSS, desde que comprove a alta previdenciária indevida, o dano (prejuízo financeiro) e o nexo causal.

Fundamentos jurídicos para o artigo: Súmula 32 Tribunal Superior do Trabalho, Constituição Federal 1988, Lei 8.213, de 24 de julho de 1991 e TNUJEFs – Turma Nacional de Uniformização dos Juizados Especiais Federais.

(*) Jacqueline Souza Rodrigues

Pós- Graduanda – Direito Penal e Processo Penal – FAVENI – Faculdade Venda Nova do Imigrante

E-mail: [email protected]

 

 

 

Anúncio
Anúncio

Veja também

Foto: Reprodução

Grupo “Cheios da Graça” homenageia profissionais da saúde do Hifa Guarapari

Por meio de cartazes com mensagens de carinho fixados na fachada do hospital, o grupo demonstrou gratidão pela dedicação dos profissionais

Foto: Reprodução

Coronavírus: Guarapari contabiliza 204 casos; 07 pacientes estão hospitalizados

135 pessoas já se curaram da doença no município; Outras 162 aguardam o resultado do exame

Anúncio
Anúncio
Foto: Arquivo Folhaonline.es

Agências da Caixa abrirão nesse sábado (30) em Guarapari para pagamento do auxílio

Beneficiários nascidos em janeiro poderão sacar 2ª parcela do auxílio em espécie; As agências da Caixa localizadas nos bairros Centro e Muquiçaba funcionarão

sala de aula

Prefeitura mantém aulas suspensas e decreta reabertura das academias em Guarapari

Santuário interno 6

Festa Nacional de São José de Anchieta 2020 será transmitida ao vivo em redes sociais

Nesse domingo (31), a relíquia de São José de Anchieta sairá pelas ruas do município que leva seu nome e conserva seu Santuário

Foto: Divulgação

Parceria entre Sesi e Sebrae ajudará pequenas empresas do ES no combate à Covid-19

Com o cenário de pandemia, o Sesi construiu uma consultoria para auxiliar as micro e pequenas empresas na criação de um Plano de Enfrentamento à Covid-19