Anúncio

O Limbo Jurídico Previdenciário Trabalhista

Por Redação Folhaonline.es

Publicado em 4 de maio de 2019 às 15:00
Atualizado em 3 de maio de 2019 às 13:13
Anúncio

Por Jacqueline Souza Rodrigues (*) Advogada – OAB/ES 30.014

Imagem Ilustrativa

O Limbo jurídico previdenciário trabalhista, ocorre quando há controvérsia entre empregador, obreiro e o INSS, em relação a aptidão do empregado para retornar ao trabalho. A divergência pode surgir entre os laudos, exames e acompanhamento médico do empregado, pela avaliação realizada pelo médico do trabalho da empresa, que atesta que o obreiro está inapto para retornar ao labor e, em contrapartida à perícia do INSS que concede alta ao empregado, por considera-lo apto para retornar ao trabalho.

Com o início da “operação pente fino”, inúmeros benefícios previdenciários foram revistos e cancelados e, muitas vezes, mesmo diante de laudos, e exames médicos atestando a incapacidade do segurado os peritos da Autarquia previdenciária tem cessado os benefícios, em decisões totalmente contrarias a necessidade do trabalhador.

A alta previdenciária, faz o contrato de trabalho voltar a sua normalidade, cabendo ao obreiro, rapidamente se apresentar ao empregador, isso porque, o Tribunal Superior do Trabalho  tem o entendimento firmado, que após a cessação do  benefício previdenciário por incapacidade, o trabalhador deve se reapresentar dentro do prazo de 30 (trinta) dias a empresa,   para retornar a suas atividades laborais, ainda que tenha recorrido da decisão que cessou seu benefício, caso isso não ocorra há presunção de abandono de emprego é o que reza Súmula 32 TST.

Portanto, o obreiro deve retornar ao trabalho e, o empregador aceita-lo, pois, a decisão que cessa o benefício previdenciário, tem presunção de veracidade e, a óbice do empregador em receber o obreiro, após a alta médica, não coaduna com os princípios constitucionais da dignidade humana e do valor social do trabalho, pois o obreiro fica sem fonte de subsistência.

Ademais, o empregador tem legitimidade e interesse processual, para propor ação regressiva reversa, contra o ato praticado pelo INSS, desde que comprove a alta previdenciária indevida, o dano (prejuízo financeiro) e o nexo causal.

Fundamentos jurídicos para o artigo: Súmula 32 Tribunal Superior do Trabalho, Constituição Federal 1988, Lei 8.213, de 24 de julho de 1991 e TNUJEFs – Turma Nacional de Uniformização dos Juizados Especiais Federais.

(*) Jacqueline Souza Rodrigues

Pós- Graduanda – Direito Penal e Processo Penal – FAVENI – Faculdade Venda Nova do Imigrante

E-mail: [email protected]

 

 

 

É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos e ilustrações, por qualquer meio, sem prévia autorização do FolhaOnline.es.

Tags:

Anúncio
Anúncio

Veja também

Foto: Reprodução

26 pessoas foram assassinadas em Guarapari até setembro deste ano

No mesmo período, o Espírito Santo registrou mais de 870 crimes letais, incluindo homicídios e latrocínios

brinquedos

Projeto reforma brinquedos para serem doados no Natal em Guarapari

Os brinquedos são arrecadados ao longo do ano, transformados e doados para a comunidade de Village do Sol

Anúncio
Anúncio
Maria Helena1

Conheça as propostas dos candidatos à prefeitura de Guarapari: Maria Helena

golpe aluguel temporada (2)

Homem usa casa de aluguel para dar golpe em turistas que visitam Guarapari

Anúncio
PMarma1

PM apreende submetralhadora caseira e pistola em Guarapari

eco101

Eco101 alerta sobre propagandas eleitorais às margens da BR-101

Anúncio