Anúncio

Polícia prende dois empresários por suspeita de envolvimento com comércio clandestino de carnes em Guarapari

Ação também interditou duas empresas

Por Pedro Henrique Oliveira

Publicado em 17 de junho de 2024 às 15:17

Anúncio

WhatsApp Image 2024 06 17 at 09.52.54 - Polícia prende dois empresários por suspeita de envolvimento com comércio clandestino de carnes em Guarapari
Fotos: divulgação/Polícia Civil

A Polícia Civil realizou, na última sexta-feira (14), a segunda fase da operação de combate ao comércio clandestino de carnes em Guarapari. Durante a ação dois empresários suspeitos de envolvimento com o caso foram presos e duas empresas foram interditadas. Os suspeitos e as empresas não tiveram os nomes divulgados.

Os detalhes da investigação foram revelados na manhã desta segunda-feira (17) durante coletiva de imprensa na Assembleia Legislativa do Espírito Santo (Ales).

Segundo o delegado Eduardo Passamani, titular da Delegacia Especializada de Defesa do Consumidor (Decon), os suspeitos podem responder por crime contra a relação de consumo e associação criminosa. Os empresários não quiseram prestar depoimento à polícia.

Entenda o caso

WhatsApp Image 2024 06 17 at 10.47.38 - Polícia prende dois empresários por suspeita de envolvimento com comércio clandestino de carnes em Guarapari

No fim de maio, ocorreu a primeira fase da operação. Na ação, foi dado cumprimento a um mandado de busca e apreensão em uma empresa localizada no município de Guarapari, investigada por armazenar e abastecer o mercado clandestino com restos e subprodutos animais.

No local, foram encontradas 17 toneladas de restos de animais armazenados sem condições de higiene. A ação também contou com o apoio do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo (Idaf) e do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – SFA/ES. De acordo com as investigações, a empresa funcionava sem autorização do Idaf.

“A empresa possuía contato com frigoríficos, açougues e supermercados, onde costumavam recolher os restos de animais e pegar subprodutos, que não costumam ser consumidos no país”, afirmou o titular da Delegacia Especializada de Defesa do Consumidor, delegado Eduardo Passamani.

A mesma empresa já havia sido alvo de ação conjunta em abril de 2022, por armazenar e vender resíduos de abates. Na ocasião, foram apreendidas cerca de 50 toneladas de produtos de origem animal. As investigações apontam que a empresa depois de fechada tentou atuar no Estado do Rio de Janeiro, mas foi fechada em 2023, e retornou às atividades ilícitas no Estado, no ano de 2024, atuando da mesma maneira.

*Com informações da Assessoria de Comunicação da Polícia Civil.

É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos e ilustrações, por qualquer meio, sem prévia autorização do FolhaOnline.es.

Anúncio

Anúncio

Veja também

Buenos-aires-Guarapa

Governo do Estado vai avaliar perfil dos turistas em 17 municípios durante o Inverno

Levantamento faz parte do Observatório do Turismo e se estenderá até o dia 28 de julho

ze-preto-ales-2024

Zé Preto (PP) lidera nova pesquisa de intenção de voto para a Prefeitura de Guarapari

Rodrigo Borges (Republicanos) aparece em seguida nos cenários apresentados

Anúncio

Anúncio

Captura de tela 2024-07-11 164123

Guarapari: suposto movimento grevista da construção civil termina em ameaças e depredação em obra

Polícia Militar chegou a ser acionada para garantir a segurança de todos e impedir ações de vandalismo

antiga-matriz-jun24

Com música ao vivo e quadrilha, Antiga Matriz recebe Arraiá de Sant’ana a partir desta quinta (11)

Tradicional festa da Antiga Matriz segue até sábado (13)

Anúncio

WhatsApp-Image-2024-07-10-at-16.47.52

Algares: autora de Guarapari lança quarto livro de poesias da carreira neste sábado (13)

Lançamento acontece na Confraria do Sabor Cafeteria

Van-da-Boa-Energia-EDP

Van da Boa Energia: EDP realizará troca gratuita de lâmpadas em Guarapari

No local, os clientes poderão trocar, gratuitamente, até 10 lâmpadas antigas por equipamentos com tecnologia LED

Anúncio