Anúncio

Radioatividade nas praias de Guarapari é potencial que precisa ser preservado, afirma pesquisador

Segundo pesquisador da Ufes, se preservadas, as areias monazíticas podem promover um turismo de saúde com alcance mundial

Por Gislan Vitalino

Publicado em 19 de fevereiro de 2021 às 08:30
Atualizado em 19 de fevereiro de 2021 às 17:53

Anúncio

Torre instalada em Meaípe monitora radioatividade natural na praia. Fotos: arquivo/ FolhaOnline.es

Em entrevista ao programa “Dez: ciência, pesquisa e informação”, da TV Ufes, no começo de fevereiro, o pesquisador do departamento de física da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), Marcos Orlando, explicou que as praias com areias monazíticas de Guarapari são, ainda, um potencial inexplorado que precisa de cuidados para sua preservação.

Segundo Orlando, que é doutor em física nuclear e coordena uma pesquisa que monitora e estuda as areias monazíticas que se concentram nas praias de Meaípe e da Areia Preta, a interferência humana no ambiente ao redor da zona com concentração da radiação precisa de mais atenção. “Ali se somam efeitos. Não é só a areia, mas todo o ambiente natural. Esse patrimônio sofre desgaste por conta da ação humana. Na hora de explorar, as pessoas não entendem que se você constrói arranha-céus em frente à praia, você joga sombra sobre a praia. E isso tem consequências”, explicou.

Ele também explicou que, como as pessoas ainda não tem conhecimento aprofundado sobre a dinâmica da radiação nas areias das praias, acabam agindo erroneamente e achando que estão sendo beneficiadas, quando não estão. “Às vezes o banhista vai para lá, vê a mancha preta, se enterra na areia achando que aquilo é a areia monazítica e não tem nada de monazítica naquele dia lá. Existe uma dinâmica, a gente está aprendendo como é esta dinâmica até para orientar as pessoas em como aproveitar melhor aquela riqueza natural”, conta Orlando.

Segundo o pesquisador, a cor da areia da praia não é um indicador direto de presença da radioatividade natural.

O pesquisador afirmou também que a raridade da areia traz um grande potencial turístico ainda inexplorado para Guarapari. “É preciso tomar cuidado para evitar que esses danos aumentem e reparar, o que é fácil. A areia está ali na frente da praia, no fundo. É possível reparar, com muito cuidado, repor a areia, tornar o ambiente reprodutível do passado e aí, com isso, atrair turismo do mundo inteiro, com uma proposta de turismo de saúde, afirmou Orlando. “A preservação da natureza lá é de benefício Geral. É um benefício econômico, mas também para a saúde do ser humano”, concluiu o pesquisador.

Confira o a entrevista na íntegra

Sobre o programa

Inspirado na ideia de promover discussões por meio de vídeos curtos, o programa Dez: ciência, pesquisa e informação tem duração média de 10 minutos e traz, a cada edição, pesquisadores apresentando os resultados de seu trabalho.

O conteúdo pode ser acessado no canal no YouTube e também nas redes sociais (Facebook e Instagram). A programação da TV Ufes ainda pode ser acompanhada no Canal Universitário de Vitória, canal 13 da Claro NET TV.

É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos e ilustrações, por qualquer meio, sem prévia autorização do FolhaOnline.es.

Anúncio

Anúncio

Veja também

detonação rochas

Detonação de rocha interdita trecho da BR-101 nessa terça-feira (09) em Guarapari

Midsection of working mother using technologies while daughter sitting in background at dining table

Sebrae/ES com Elas: Rodada on-line de networking só para mulheres

Evento, que integra a programação especial para o Mês da Mulher, está com inscrições abertas para empresárias

Anúncio

Anúncio

Portrait of happy woman at beach during dusk

Especial Mulher: saúde e sexualidade

chuva_tempestade_final_de_semana

Previsão de mais chuva com trovoadas em Guarapari

Anúncio

desaparecido Gri1

Família de Guarapari procura parente com problemas mentais que fugiu do hospital

especial-mulheres-folhaonline

Especial Dia Internacional da Mulher

Anúncio