Anúncio

Recurso de Edson Magalhães pode ter novo julgamento  

Por Glenda Machado

Publicado em 21 de julho de 2016 às 18:55
Atualizado em 21 de julho de 2016 às 18:56

Anúncio

Um dos recursos impetrados pelo deputado estadual Edson Magalhães no processo que julga suas contas de 2010 quando era prefeito de Guarapari pode ser julgado novamente. Esse foi o parecer do Ministério Público de Contas do Espírito Santo (MPC-ES). O órgão foi o último que pediu vistas do processo que tramita no Tribunal de Contas do Estado (TC-ES).

Com a prorrogação do julgamento, Edson ficou de fora da lista dos inelegíveis. O Tribunal de Contas enviou os nomes dos políticos no dia 5 de julho à Justiça Eleitoral e ao Ministério Público Eleitoral. O deputado também não está na lista daqueles que têm parecer prévio pela rejeição. Logo, nada impede que ele registre candidatura dentro do prazo legal: até o dia 15 de agosto.

“O MPC ratificou o parecer anterior, no qual se posicionou pelo provimento parcial dos embargos de declaração de Edson Magalhães e opinou pela realização de novo julgamento do recurso de reconsideração, em razão de erro por parte do Tribunal de Contas na publicação de notificação do ex-prefeito e da defesa dele”, consta na nota do órgão.

O recurso refere-se ao erro de grafia no nome do deputado e do seu advogado na notificação, o que foi considerado  pelo MPC como “dois erros crassos no procedimento, violando, assim, o princípio da boa-fé, da segurança jurídica e da confiança que o administrado tem em relação aos atos da administração pública”. E que o fato do advogado estar presente na sessão não exime a responsabilidade do erro.

“Apresentar uma defesa precária e improvisada, simplesmente, por estar presente, seria uma decisão desprovida de um mínimo de razoabilidade, em clara afronta ao direito de defesa”. Na última sessão, realizada no dia 19 de julho, o TCES adiou o julgamento para tomar ciência do parecer do MPC-ES. Já são três meses de vistas, pois antes o processo já passou pelos conselheiros José Antônio Pimentel e Domingos Taufner.

O relatório da área técnica apontou 13 procedimentos irregulares nos balancetes pela gestão do prefeito. O que mais causa preocupação é que ele não teria destinado o repasse determinado pela constituição à educação. O processo já se arrasta por mais de cinco anos. Sem chegar à Câmara de Vereadores para votação, tudo indica que ele está com o caminho livre até às urnas.

Confira a lista com os inelegíveis:

Com parecer prévio 

Com contas julgadas

 

É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos e ilustrações, por qualquer meio, sem prévia autorização do FolhaOnline.es.

Tags:

Anúncio

Anúncio

Veja também

casagrande-anuncio-novasrestricoes-2020-03-25

55° Mapa de Risco traz Guarapari em risco alto e mudanças na classificação da Grande Vitória

marcos_gabriel-danca-2021-05-13-8

Aluno de Guarapari é destaque em concurso de dança na Serra

Marcos é aluno do 1º ano da escola municipal Florisbela Lino Bandeira, no bairro Aeroporto

Anúncio

Anúncio

Foto: Arquivo/Folha

Temperaturas devem continuar baixas em Guarapari e região no fim de semana

qualificar_es_ampliacao-2021-05-14

Qualificar ES abre 111 mil novas vagas e apresenta novidades

Governador também enviou à Assembleia Legislativa um Projeto de Lei para institucionalizar o Programa

Anúncio

camara_gestao_120-dias-2021-05-14-2

Atual gestão da Câmara de Guarapari economiza R$1 mi e alcança recorde de transparência

pc_prisao_anchieta-2021-05-14

Operação Estado Presente prende suspeito de duplo homicídio em Anchieta

Homem detido é suspeito do assassinato de mãe e filho, no bairro Jerusalém

Anúncio