Anúncio

Registro não autorizado da intimidade sexual

Por Redação Folhaonline.es

Publicado em 13 de abril de 2019 às 15:00
Atualizado em 12 de abril de 2019 às 14:49

Anúncio

Por Carlos Lázaro Moreira Pereira (*) Advogado – OAB/ES Nº 28.520

Imagem Ilustrativa

No final do ano passado, o rol de crimes contra a dignidade sexual ganhou novas figuras típicas, dentre elas o “registro não autorizado da intimidade sexual”, com a redação dada pela Lei nº 13.772, de 19 de dezembro de 2018, que acrescentou o art. 216-B ao Código Penal Brasileiro.

De acordo com o dispositivo “produzir, fotografar, filmar ou registrar, por qualquer meio, conteúdo com cena de nudez ou ato sexual ou libidinoso de caráter íntimo e privado sem autorização dos participantes” assim como “quem realiza montagem em fotografia, vídeo, áudio ou qualquer outro registro com o fim de incluir pessoa em cena de nudez ou ato sexual ou libidinoso de caráter íntimo” estará sujeito a “pena de detenção, de 6 (seis) meses a 1 (um) ano, e multa” (art. 216-B, CPB).

Trata-se de crime: Instantâneo, ou seja, de consumação imediata; formal, não exigindo a produção de resultado naturalístico; plurissubsistente, podendo ser fracionado em várias ações, o que se admite a tentativa; unisubjetivo, pode ser praticado por uma ou mais pessoas; Crime comum, podendo ser praticado por qualquer pessoa. A prática de mais de um dos verbos do núcleo do tipo caracteriza crime único e o objeto jurídico tutelado é a intimidade sexual.

Com essa nova conduta delitiva, busca-se coibir na origem um dos principais crimes cometidos pelos meios eletrônicos: Divulgação de cena de estupro, sexo ou pornografia sem autorização (Art. 218-C, Código Penal), popularmente conhecido como crime de “nudes”.

Segundo levantamento da Associação Safernet, no ano de 2018, foi registrado um aumento de 131,49% de casos atendidos sobre vazamento de “nudes” e que as mulheres são as principais vítimas.

Por fim, importa destacar que o crime de “registro não autorizado da intimidade sexual” não alcança o conteúdo com cena de nudez ou ato sexual ou libidinoso quando envolve criança e adolescente, uma vez que há previsão em lei especial (art. 240 e seguintes do Estatuto da Criança e do Adolescente) criminalizando tal conduta.

(*) Carlos Lázaro

Advocacia & Consultoria

[email protected]

É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos e ilustrações, por qualquer meio, sem prévia autorização do FolhaOnline.es.

Tags:

Anúncio

Anúncio

Veja também

situacao_de_rua_2021-06-23

Situação de Rua: o que pensam organizações de Guarapari que trabalham com essa população

Em Guarapari, parte da população têm notado um aumento de pessoas que encaram essa condição

Capacetes Elmo

Espírito Santo recebe doação de 158 capacetes ELMOs para pacientes com Covid-19

Anúncio

Anúncio

xepa vacina

Governo do Estado cria regras para “xepa” das vacinas nas cidades do ES

Orientação da Sesa é que as doses excedentes sejam utilizadas em quem pertence ao grupo contemplado ou para as pessoas da faixa etária seguinte

procurados-2021-06-23

Polícia Militar divulga 5 criminosos de Guarapari procurados pela Justiça

Caso tenha informações, população pode ajudar a polícia através do Disque-Denúncia (181)

Anúncio

Eco 101 - duplicação

Duplicação: desvio de tráfego em Anchieta para construção do viaduto de acesso a Alfredo Chaves

vacinacao_50-mais-gri2021-06-12

Guarapari realiza novo agendamento para pessoas acima de 40 anos

Anúncio