Anúncio

Samarco ensaia o retorno das atividades

Por Redação Folhaonline.es

Publicado em 24 de novembro de 2017 às 12:00
Atualizado em 24 de novembro de 2017 às 12:06

Anúncio

por Aline Couto

Na última sexta-feira (17), o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), aprovou a volta da produção de uma das minas da Samarco, em Minas Gerais. A empresa aguarda agora o parecer da Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento (Semad) de Minas Gerais para voltar aos trabalhos.

Outros pedidos da mineradora , de licença prévia e licença de instalação da cava, serão avaliados hoje (24) pelo Conselho Estadual de Política Ambiental (Copam) de Minas Gerais. Assim que a empresa for autorizada a retomar suas atividades na região, a cava receberá rejeitos de mineração em Mariana (MG).

Para a utilização da cava, no entanto, a Samarco ainda precisará de uma licença operacional corretiva de todo o complexo de mineração em Mariana, para voltar as suas atividades. Caso sejam concedidas, a empresa poderá iniciar as construções necessárias ao funcionamento da cava, chamada Alegria Sul. O Copam é o último estágio para a obtenção das licenças e o pedido de licenciamento foi protocolado junto à Semad e está em análise, mas ainda não há data prevista para conclusão.

Em tempoSamarco ensaia o retorno das atividades

A Samarco paralisou suas operações no município de Mariana, região central de Minas, há dois anos, após o rompimento de uma de suas barragens de rejeitos, que deixou 19 mortos, centenas de desabrigados e poluiu o Rio Doce, em toda a sua extensão, até parte do litoral do Espírito Santo.

Com as operações paralisadas, a Samarco é suportada financeiramente por suas sócias: a brasileira Vale, produtora global de minério de ferro, e mineradora anglo-australiana BHP Billiton.

O rompimento da barragem da Samarco, em cinco de novembro de 2015, foi considerado o maior desastre socioambiental da história do Brasil.

Indenizações

Um acordo homologado pela 12ª Vara Federal de Minas Gerais altera parcialmente o Termo de Ajustamento Preliminar (TAP) firmado entre a Samarco, a Vale, a BHP Billiton e o Ministério Público Federal (MPF), deve facilitar o repasse das indenizações às pessoas atingidas pelo rompimento da barragem do Fundão em  Mariana.

O acordo prevê a disponibilização de assessorias técnicas aos atingidos de toda a bacia do Rio Doce, bem como a realização de um diagnóstico dos danos socioeconômicos. Estabelecem ainda o processo e o cronograma para a negociação de um acordo no âmbito das Ações Civis Públicas de R$ 155 bilhões e de R$ 20 bilhões referentes ao rompimento da barragem.

Na decisão proferida na última segunda-feira (20) e divulgada nesta quinta (23), houve ainda uma prorrogação do prazo para a apresentação dos termos do acordo final, que havia expirado no dia 16 de novembro. A data foi prorrogada para 20 de abril de 2018, a pedido das empresas e do MPF.

Assinado no último dia 16, o acordo prevê que o Fundo Brasil de Direitos Humanos (Fundo Brasil) ficará responsável por dar assessoria aos atingidos e apoiar todas as ações necessárias à realização das audiências públicas a serem realizadas. A Fundação Getúlio Vargas (FGV), por sua vez, ficará responsável por avaliar e medir todos os danos socioeconômicos ao longo da bacia do Rio Doce. As atividades a serem realizadas pelas duas entidades serão custeadas integralmente pelas empresas Samarco, Vale e BHP.Samarco ensaia o retorno das atividades

O acordo estabelece que seja criado um “Fórum de Observadores”, de natureza consultiva, como uma das instâncias de participação e controle social. O objetivo é acompanhar os trabalhos e analisar os resultados apresentados pelas duas entidades contratadas. O fórum será composto por pessoas atingidas, representantes da sociedade civil e de povos e comunidades tradicionais atingidos pelo desastre.

Por meio de nota, a Samarco informa que serão contratados dois especialistas para, na qualidade de experts do MPF, realizar diagnósticos dos impactos socioeconômicos resultantes do rompimento da barragem de Fundão e para coordenar a contratação de assessorias técnicas às pessoas impactadas. Os experts também apoiarão o MPF na realização de audiências públicas e consultas prévias.

É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos e ilustrações, por qualquer meio, sem prévia autorização do FolhaOnline.es.

Tags:

Anúncio

Anúncio

Veja também

WhatsApp-Image-2021-12-03-at-5.53.51-PM-1

84° Mapa de Risco Covid-19: ES continua em Risco Baixo na próxima semana

creches-guarapari-2021

Prefeitura autoriza obras de mais uma creche em Guarapari

Considerando as assinaturas de ordem de serviço realizadas na última sexta-feira (26), são 05 obras autorizadas em uma semana

Anúncio

Anúncio

Casa de apoio Hifa

Hifa Guarapari está entre entidades beneficiadas por programa do Governo do ES

Hospital Infantil Francisco de Assis é uma das entidades que podem receber recursos do programa Nota Fiscal Premiada

DCIM\107MEDIA\DJI_0024.JPG

Samarco direcionou R$ 587 mi. para fornecedores de Anchieta e áreas de atuação

Empresa realizou balanço de um ano do programa Força Local, que desenvolve empresas para integrarem o quadro de fornecedores da Samarco

Anúncio

Anchieta-Credito-da-Foto-Andrews-Quinteiro_

Anchieta é lançada na rota do turismo nacional

radium-arquvo-foes

Radium Hotel vai sediar museu e escola técnica voltados para turismo em Guarapari

Anúncio