Anúncio

Sindicato patronal recorre à justiça para por fim a greve dos motoristas da coleta de lixo ligados ao Sintrovig

Por Aline Couto

Publicado em 27 de agosto de 2019 às 16:04

Anúncio

O anúncio da possível greve vei a tona na sexta-feira (23) através de um comunicado do Sintrovig

lixo São Judas1 - Sindicato patronal recorre à justiça para por fim a greve dos motoristas da coleta de lixo ligados ao Sintrovig

Foto: Leitor.

A greve dos trabalhadores rodoviários – motoristas – que fazem a limpeza urbana em Guarapari e outros nove municípios iniciada ontem (26) pode ter data para acabar. A decisão da paralisação aconteceu após as negociações do reajuste de salário entre o sindicato da categoria, Sintrovig e o Sindicato Estadual de Limpeza Urbana do Espírito Santo – Selures terem falhado.

Wanderley Gonçalves, presidente do Sintrovig, relatou que foi solicitada uma equiparação salarial com os motoristas da Grande Vitória do Sindirodoviários que ganham R$2.595 em contrapartida com os trabalhadores das 10 cidades ligadas ao sindicato que recebem R$1.910, o que não foi acordado.

Procurado, o Selures, através do advogado Stephan Schneeteli, respondeu que o sindicato patronal ofereceu para o Sintrovig todos os benefícios e um salário com reajuste integral de acordo com a inflação, 4,97%. “Em hipótese alguma haveria perda para os trabalhadores. Nós fizemos esse mesmo acordo com outros cinco sindicatos”, disse o advogado.

Ainda segundo ele, o presidente do Sintrovig não aceitou a oferta e fez outra onde não haveria condições dos municípios nem das empresas arcarem com os valores. “Ele pediu um reajuste de 46%, um pleito sem fundamentação. Até na mediação com o Ministério do Trabalho foi explicado e mostrado ao Wanderley que a proposta era irreal”.

Stephan explicou que entrou hoje (27) na justiça para colocar um fim na greve. “O tribunal pode determinar a ilegalidade do movimento ainda nesta terça-feira. Esse serviço é essencial para a população, questão de saúde pública, devendo funcionar com pelo menos 75% do efetivo”, disse o advogado.

Em tempo

Em Guarapari, após o serviço ter sido totalmente paralisado, medidas foram tomadas para garantir 30% dos caminhões nas ruas em tempos de greve.

De acordo com a prefeitura, a Companhia de Melhoramentos e Desenvolvimento Urbano de Guarapari (Codeg) disponibilizou caminhões e está recolhendo o lixo nas empresas e nos comércios. Nas regiões das orlas, estão sendo utilizados mini-tratores para o serviço e nos bairros, os caminhões estão mantendo a estratégia de atender pelo menos três bairros por dia.

 

É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos e ilustrações, por qualquer meio, sem prévia autorização do FolhaOnline.es.

Tags:

Anúncio

Anúncio

Veja também

Imagem-do-WhatsApp-de-2024-07-02-as-14.22.32_930ee451

Prestes a lançar novo filme, Rodrigo Aragão quer formar novos talentos do cinema em Guarapari

Cineasta finaliza seu novo longa, que se passa em um prédio assombrado por fantasmas na Praia do Morro

{"eId":"703898471388870","CameraPosition":1}

Hotéis e pousadas das montanhas preparam mimos para hóspedes durante a Festa do Morango

34ª edição do evento já está com ingressos à venda

Anúncio

Anúncio

Pastor Raphael

Coluna Palavra de Fé: Schadenfreude

letreiro-guarapari-es-2021-08-27

Coluna Dom Antônio: O que falta para Guarapari ser uma cidade turística de verdade

Anúncio

regulamento foto (3)

Coluna Entenda Direito: A importância do Regulamento Interno das empresas nas relações de trabalho

Pipas_divulgacao

Guarapari foi a cidade mais atingida por problemas causados por pipas na rede elétrica

Nos primeiros meses do ano, cidade teve 1.668 clientes afetados na região; riscos de acidentes aumentam nas férias

Anúncio