Anúncio

TCE detecta irregularidades em folha de pagamento da Prefeitura

Por Livia Rangel

Publicado em 17 de junho de 2015 às 13:00
Atualizado em 17 de junho de 2015 às 13:00

Anúncio

A representação ainda verificou o recebimento de horas extras por servidores em regime de tempo integral e por ocupantes de cargo comissionado, procedimento incompatível com a natureza dos cargos

prefeitura-sede

TCE identificou pagamento de benefícios em cascata e horas extras para servidores comissionados da Prefeitura, entre outras irregularidades.

Por decisão cautelar do Tribunal de Contas do Estado (TCE-ES) a Prefeitura de Guarapari deverá adequar de forma imediata a fórmula de cálculo das gratificações de assiduidade e de quinquênio, devendo ser excluída da base de cálculo das referidas verbas o Adicional por Tempo de Serviço (ATS), para os servidores que venham a adquirir o direito à percepção de alguma das gratificações. A medida observa o disposto no artigo 37, XIV, da Constituição Federal, que veda o pagamento de vantagens em efeito cascata.

Para os servidores que já recebem as gratificações, foi determinado que seja feita análise caso a caso acerca da suspensão das gratificações que não observem a regra, no exato montante considerado ilegal (calculado sob a forma de cascata).

Segundo representação formulada por auditores da Corte, a fórmula de cálculo em cascata, que acrescenta o ATS ao salário base para compor a base de cálculo da gratificação de assiduidade e do adicional de quinquênio em Guarapari, não encontra amparo legal desde sua origem.

O relator, conselheiro José Antônio Pimentel, afirmou em seu voto que “não há como negar que a forma de cálculo utilizada pelo Município está contrária aos ditames constitucionais vigentes, que vedam o acúmulo ou cômputo de acréscimos pecuniários percebidos pelo servidor público para fins de concessão de acréscimos posteriores, assistindo razão à área técnica quando afirma que os pagamentos que vem sendo realizados atualmente sob a forma de ‘cascata’ devem ser suspensos”.

Ainda de acordo com o relator, “o cálculo adotado fez com que os pagamentos dele derivado se tornassem ilegais, podendo ser suspensos sem que com isso seja violado qualquer princípio, seja o direito adquirido, seja a irredutibilidade de vencimentos”.

Além da adoção da medida cautelar para que seja determinada a suspensão dos pagamentos irregulares, no mérito, a equipe técnica solicitou que seja determinada a instauração de tomada de contas para apuração do montante pago indevidamente para fins de ressarcimento, com correção monetária.

Acúmulo de gratificações. A concessão de medida cautelar também foi motivada pela ilegalidade da acumulação de gratificações com outros pagamentos, infringindo lei municipal, a saber: pagamento por plantão fiscal e horas extras para 11 servidores; Gratificação por Plantão na Área de Saúde (GPFS) cumulada com Gratificação em Órgãos Essenciais ao Atendimento de Interesse Público, para sete servidores; Gratificação por Plantão Fiscal (GPF) cumulada com gratificação por regime de tempo integral a oito servidores; Gratificação de Desempenho de Trabalho Técnico e Científico (GTTC) cumulada com gratificação por regime de tempo integral, bem como com gratificação pelo exercício de cargo ou função comissionada; e gratificação por plantão na área de saúde (GPFS) cumulada com horas extras.

Em todos os casos, a prefeitura de Guarapari alegou que o pagamento não vem mais ocorrendo desde o recebimento da notificação relativa à representação. No entanto, o Plenário deferiu a medida acautelatória a fim de evitar qualquer futuro pagamento infringindo a lei.

A representação ainda verificou o recebimento de horas extras por servidores em regime de tempo integral e por ocupantes de cargo comissionado, alegando que esse procedimento é incompatível com a natureza dos cargos. Em suas justificativas, o gestor informa que o referido pagamento apenas ocorreu em duas situações isoladas. Em sede de análise cautelar, o TCE-ES determinou que o gestor não efetue mais pagamentos nesse sentido.

Plantão fiscal

Por fim, constatou a área técnica a existência de irregularidades na realização de plantões acima do limite quantitativamente aceitável, visto que desrespeitaram o direito de cada servidor ao intervalo mínimo de 11 horas entre duas jornadas de trabalho. Por amostragem, foi apontada a situação de servidor que realizou 44 plantões fiscais em 30 dias.

Em sua defesa, o gestor alegou que a lei municipal não traz qualquer limitação com relação aos plantões. No entanto, informa que após o recebimento da notificação referente à representação, já foi promovida a regularização da situação.

O Plenário também concedeu cautelar quanto a este item para que seja “determinado aos gestores, no momento da elaboração de escalas de serviços, a promoção de uma melhor utilização dos recursos humanos, respeitado o direito de cada servidor ao intervalo mínimo de 11 horas entre duas jornadas de trabalho, pois se trata de norma de ordem pública relativa à proteção à saúde do trabalhador”.

Posicionamento da PMG

Em nota de esclarecimento, a Prefeitura anunciou as medidas que serão tomadas após a notificação do TCE. Confira, abaixo, na íntegra:

Caros Servidores Municipais,

A Prefeitura recebeu uma notificação do Tribunal de Contas, em caráter liminar, determinando que fossem notificados todos os funcionários que são garantidos por lei pelo método de cálculo do ATS – Adicional por Tempo de Serviço – em nosso município.

Esclareço que a medida de notificação será adotada, dando aos senhores prazo para justificativa e defesa e, posteriormente, ainda iremos questionar o Tribunal de Contas sobre este ato.

Quero tranquilizar os senhores e informá-los que não iremos, de forma alguma, alterar o salário dos senhores sem, antes, esgotar todas as fontes e possibilidades de assegurar a todos os ganhos garantidos por lei até hoje.

Portanto, saibam que estamos juntos nesta luta e os senhores podem contar com o meu apoio, e a disposição conjunta da nossa equipe, no intuito de reverter esta situação.

Dou minha garantia que, enquanto não tiver uma decisão definitiva, obrigando a Prefeitura a intervir no cálculo, nenhum servidor municipal será prejudicado.

Abraços.

Orly Gomes

Prefeito

 

É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos e ilustrações, por qualquer meio, sem prévia autorização do FolhaOnline.es.

Tags:

Anúncio

Anúncio

Veja também

onibus_lorenzutti_guarapari

Duas linhas de ônibus que atendem a zona rural de Guarapari terão alteração de itinerários

Breno natação11

Nadador de Guarapari conquista quatro ouros e uma prata nas Paralimpíadas Escolares 2021

Anúncio

Anúncio

rifa-beneficente-pedrovidal1

Adolescente de Guarapari com cirurgia em atraso recebe apoio e novo prêmio para rifa

compras_natal_1-770x470

Natal Premiado com R$ 15 mil de premiação em Anchieta

Anúncio

IPVA-2016-Romero

Governo do ES divulga datas para pagamento do IPVA 2022

artigo-antonio-ribeiro-2021-11-26-viatura-policia-militar-pm

Artigo: Polícia Militar fazendo blitz em diversos pontos da cidade saúde

Anúncio