Anúncio

Usucapião extrajudicial: Resolvendo problemas de maneiras rápida e econômica fora do Poder Judiciário

Por Redação Folhaonline.es

Publicado em 12 de outubro de 2019 às 15:00
Atualizado em 11 de outubro de 2019 às 16:02
Anúncio

Por Lúcio Moreira Andrade (*) advogado- OAB/ES 29.281.

O vigente Código de Processo Civil, promulgado em 2015, trouxe diversas inovações que permitem a resolução de conflitos por caminhos mais rápidos e econômicos fora do Poder Judiciário. Dentre elas, a usucapião de bens imóveis pela via extrajudicial (também chamada de “via cartorária”).

Trata-se de importante ferramenta que poderá auxiliar na regularização do grande universo de imóveis irregulares existentes no Brasil – cerca de 50% dos imóveis urbanos, conforme dados recentes do Ministério do Desenvolvimento Regional – facilitando, por exemplo, a concessão do documento de habite-se e a liberação de financiamento bancário para a venda.

Normalmente utilizado para a aquisição da propriedade a partir do exercício da posse sobre um bem, observados determinados requisitos apontados pela lei, a usucapião, até pouco tempo, era intentada apenas pela via judicial – isto é, por meio de processos junto ao Poder Judiciário.

Todavia, tratavam-se de causas demoradas e custosas. Com sorte, poderiam ser julgadas no intervalo de alguns anos – tempo às vezes muito longo para quem busca a tutela do Poder Judiciário e a satisfação de um direito pretendido.

Com a possibilidade de se realizar a usucapião de bens imóveis pela via extrajudicial, esse prazo poderá ser diminuído. Há, ainda, o fator custo, que também poderá ser reduzido. Afinal, trata-se de procedimento mais célere, realizado junto ao cartório de registro de imóveis da comarca em que se localiza o bem a ser usucapido.

Contudo, esse procedimento não poderá ser utilizado para a resolução de todas as situações fáticas que se apresentarem, havendo casos que só poderão ser resolvidos pelo próprio Poder Judiciário.

Caberá, portanto, ao advogado, enquanto profissional capacitado, analisar caso a caso, cotejando-os com as disposições do Código de Processo Civil e da Lei de Registros Públicos (Lei n. 6.015/1973), orientando seu cliente a respeito de qual o melhor caminho a ser seguido.

(*) advogado, sócio do escritório Ávila e Andrade Advogados. Bacharel em Direito pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) e Pós-Graduando em Direito Administrativo e Constitucional pela Escola Paulista de Direito (EPD), ocupa, atualmente, o cargo de Conselheiro da Comissão da Jovem Advocacia – OAB Jovem da 4ª Subseção da OAB/ES.

É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos e ilustrações, por qualquer meio, sem prévia autorização do FolhaOnline.es.

Tags:

Anúncio
Anúncio

Veja também

jongo

Jongo de Alfredo Chaves ganha dia municipal e é considerado patrimônio cultural

Gás2

Guarapari: Aplicativo identifica revendedora de gás mais próxima do consumidor

Anúncio
Anúncio
esperando_vc_grupo_irmaos_787-e1600203522534

TJES apresenta cinco irmãos que aguardam adoção e grupo de Guarapari reforça importância da ação

Para Virgínia Silva, presidente do grupo de apoio à adoção “Gerando com Coração”, a campanha “Esperando Por Você”, do TJES, revela a realidade das instituições de acolhimento

Foto: Reprodução

Guarapari registra mais quatro óbitos pela Covid-19

Com isso, o município totalizou 114 vítimas fatais da doença

Anúncio
WhatsApp Image 2020-09-25 at 10.58.43

Alfredo Chaves: Emenda parlamentar garante carro e outros equipamentos para Conselho Tutelar

Além do veículo, o recurso contemplará uma geladeira de 340l, uma Smart TV de 50 polegadas, bebedouro e um aparelho de ar condicionado portátil

Foto: Reprodução

Sebrae/ES tem mais de 5 mil vagas em cursos gratuitos para outubro

Os últimos dias de setembro garantem 14 atividades gratuitas, enquanto outubro já começa com cerca de 30 ações confirmadas

Anúncio