Anúncio

Artigo: após divórcio, o que acontece com imóvel adquirido pelo Minha Casa Minha Vida?

Publicado em 18 de dezembro de 2021 às 15:00
Atualizado em 21 de dezembro de 2021 às 08:57

Anúncio

*Por Dr. Ednei Vieira Pereira:

imagem artigo - Artigo: após divórcio, o que acontece com imóvel adquirido pelo Minha Casa Minha Vida?

Em regra, o regime de bens escolhido será aquele que mais se adapta a realidade dos nubentes, ficando a livre escolha do casal, observado as exceções como a imposição do regime de separação total de bens prevista na legislação. E caso os noivos não façam nenhuma previsão sobre o regime de bens, será fixado o regime de comunhão parcial de bens.

No divórcio, separação ou dissolução de união estável que não sejam consensuais, ou seja, sem algum tipo de acordo prévio que fale sobre a partilha de bens adquirido durante o matrimonio, pela lei geral, estes bens serão divididos igualmente entre o casal, cada um saindo do litígio com a porção de 50%.

Mas no que diz respeito ao imóvel adquirido pelo PMCMV – Programa Minha Casa Minha Vida, as regras mudam, principalmente no que diz respeito ao fim do matrimônio. Isso porque, de acordo com o art. 35-A da lei 11.977 de 2009, o imóvel adquirido na constância do casamento ou da união estável pelo PMCMV, em hipótese de separação, divórcio ou de dissolução de união estável, será registrado em nome da mulher ou a ela transferido e ainda com a seguinte observação, independentemente do regime de bens aplicável.

Esta regra é desconsiderada nos casos em que a compra do imóvel pelo PMCMV, tenha envolvido recursos do FGTS de qualquer dos cônjuges ou companheiros, caso em que haverá partilha do imóvel, dentro das regras estabelecidas para o regime de bens adotado, ou seja, pela lei geral.

A Lei 11.977/09 é resultado da Medida Provisória 561, editada no 08/03/2012, DIA INTERNACIONAL DA MULHER, e teve como mensagem principal proteger a varoa, visto que pelo menos a princípio, a propriedade do imóvel pertence a quem tem a guarda unilateral dos filhos, sendo ainda considerada na maior parte dos casos de rompimento da relação entre o casal, quem apresenta uma maior vulnerabilidade.

A exceção está no parágrafo único do mesmo artigo, e expressa que nos casos em que haja filhos do casal e a guarda seja atribuída exclusivamente ao marido ou companheiro, o título da propriedade do imóvel será registrado em seu nome ou a ele transferido.

É comum que muitas mulheres que se enquadrem nestas condições não saibam que são beneficiadas com esse direito. Portanto, buscar ajuda de um advogado para auxiliar na questão é de suma importância.

foto artigo - Artigo: após divórcio, o que acontece com imóvel adquirido pelo Minha Casa Minha Vida?
*Dr. Ednei Vieira Pereira é advogado (OAB/ES – 34.356).

As informações e/ou opiniões contidas neste artigo são de cunho pessoal e de responsabilidade do autor; além disso, não refletem, necessariamente, os posicionamentos do folhaonline.es

Anúncio

Anúncio

Veja também

Crescer Com Viver1

ONG Crescer com Viver prepara mais uma edição do ‘Sertanejo Solidário’ em maio

Noite será de muita diversão, comida gostosa e solidariedade

20240418_162847

Espírito Santo vai receber primeira Usina de Biometano para uso industrial e residencial

Assinatura da parceria aconteceu na quinta (18), no Palácio Anchieta

Anúncio

Anúncio

Pastor Raphael

Coluna Palavra de Fé: Parte do remanescente

“Assim, pois, também agora, no tempo de hoje, sobrevive um remanescente segundo a eleição da graça.” Romanos 11:5

motor-home

Coluna Dom Antônio: Guarapari na contramão do turismo de bom nível tem lei proibindo motor homes

Anúncio

01.FOTO-DO-TEMA.jpeg

Coluna Entenda Direito – Seletividade penal e encarceramento: ‘Cadeia guarda o que o sistema não quis’

iriri_letreiro

Com arte e gastronomia, Iriri Paixão Capixaba segue até amanhã (21) em Anchieta

Programação começa sempre às 17h com shows e outras apresentações artísticas

Anúncio