Anúncio

Entrevista: morador de Guarapari é eleito novo corregedor geral da Defensoria Pública do ES

Por Aline Couto

Publicado em 2 de dezembro de 2021 às 15:41

Anúncio

IMG 20211130 163044 - Entrevista: morador de Guarapari é eleito novo corregedor geral da Defensoria Pública do ES
Saulo Alvim Couto toma posse em janeiro do próximo ano. Foto: Folha Online.

Saulo Alvim Couto é natural de Itaperuna, Rio de Janeiro, tem 42 anos, casado e pai de um filho. Morador de Guarapari há 15, desde que ingressou na Defensoria Pública do Estado, o profissional, que atua na área do direto há 17 anos, já ocupou o cargo de controlador interno, coordenador penal, chefe de gabinete, e hoje está como subdefensor público-geral do Estado. A partir do próximo ano, Saulo assume o cargo de corregedor geral da Defensoria Pública do Espírito Santo para o biênio 2022-2023. A posse está marcada para dia 11 de janeiro de 2022.

Confira a entrevista exclusiva de Saulo Alvim Couto para o folhaonline.es:

Cargo

Folha: Como é feita a escolha para o cargo de corregedor geral?

Saulo: A escolha é feita através de uma eleição interna com os membros da instituição. Só podem concorrer ao cargo os membros do mais alto nível, que é o quarto nível. Desses membros três nomes são selecionados para formar uma lista tríplice, e o defensor público geral nomeia o que ele entende ser o mais capacitado ao cargo. Dentro do nosso grupo de atuação, chegamos a um consenso que eu deveria ocupar a Corregedoria no próximo ano, o que foi aceito de bom grado por todos. A princípio eu fico dois anos a frente da instituição, mas posso ser reconduzido para mais dois anos.

Folha: Qual a função do corregedor?

Saulo: A Corregedoria é um órgão de correção e orientação dos membros e servidores para o desempenho de um melhor trabalho para ser entregue a população. Meu papel vai ser orientar e tentar resolver as reclamações. Sem esquecer que o órgão também é de punição, caso exista uma falta funcional preciso abrir um procedimento para a punição, seja do membro, do servidor ou do estagiário. Meu projeto terá foco no equilíbrio institucional e na melhoria contínua do atendimento ao cidadão.

Folha: Como gostaria de ser lembrado por sua passagem pelo cargo?

Saulo: Como o corregedor que conseguiu entregar um serviço melhor a população. Não como um corregedor punitivo, que perseguiu, mas como aquele que ofereceu a melhor orientação aos servidores e estagiários. Pretendo caminhar junta a população, é a função da Corregedoria.

Futuro

Folha: Você tem alguma pretensão futura após passar pela Corregedoria?

Saulo: Nesse momento eu não penso em outro cargo, que seria o último da instituição, de defensor geral. Nas próximas eleições também terão eleições para o cargo, mas não tenho interesse imediato. Hoje penso na Corregedoria, ficar esse dois anos, e mais dois anos se for eleito, e encerrar minha atividade na administração.

Profissão

Folha: Como chegou ao direito?

Saulo: Sempre observava meu tio Fernando que era advogado, que infelizmente faleceu ano passado de Covid-19, contando os casos e trabalhando muito. Interessei-me pela profissão, segui por causa dele.

Folha: A profissão te surpreendeu ou foi como o esperado?

Saulo: O direito que aprendemos na faculdade não é o mesmo que se aplica no dia a dia, você não é preparado é tudo muito diferente. Mas posso dizer que dentro do tudo que passei e aprendi, eu ainda acredito no direito.

Folha: Defensoria foi sua primeira opção?

Saulo: No primeiro momento pensava em ser delegado federal, foram os primeiros concursos que prestei, depois prestei para o Ministério Público, Defensoria e Magistratura. Mas a defensoria eu já tinha experiência, durante a faculdade fiz estágio a Defensoria Pública do Rio de Janeiro.

Folha: Como pai, indicaria para seu filho seguir a área do direito?

Saulo: Hoje eu indicaria entrar na iniciativa privada, porque os tempos que estamos vivemos no serviço público não estão tão louváveis e promissores como já foram. Por questões políticas, a tendência atualmente é o serviço público seja cada vez mais sucateado. No entanto, caso meu filho se interesse, com certeza faria o possível para ele ser defensor público, não teria outra carreira a indicar.

É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos e ilustrações, por qualquer meio, sem prévia autorização do FolhaOnline.es.

Anúncio

Anúncio

Veja também

Crescer Com Viver1

ONG Crescer com Viver prepara mais uma edição do ‘Sertanejo Solidário’ em maio

Noite será de muita diversão, comida gostosa e solidariedade

20240418_162847

Espírito Santo vai receber primeira Usina de Biometano para uso industrial e residencial

Assinatura da parceria aconteceu na quinta (18), no Palácio Anchieta

Anúncio

Anúncio

Pastor Raphael

Coluna Palavra de Fé: Parte do remanescente

“Assim, pois, também agora, no tempo de hoje, sobrevive um remanescente segundo a eleição da graça.” Romanos 11:5

motor-home

Coluna Dom Antônio: Guarapari na contramão do turismo de bom nível tem lei proibindo motor homes

Anúncio

01.FOTO-DO-TEMA.jpeg

Coluna Entenda Direito – Seletividade penal e encarceramento: ‘Cadeia guarda o que o sistema não quis’

iriri_letreiro

Com arte e gastronomia, Iriri Paixão Capixaba segue até amanhã (21) em Anchieta

Programação começa sempre às 17h com shows e outras apresentações artísticas

Anúncio