Anúncio

Especialista alerta para identificação precoce dos sinais do autismo

Por Gislan Vitalino

Publicado em 2 de maio de 2021 às 15:00
Atualizado em 3 de maio de 2021 às 16:46

Anúncio

Brinquedos podem assumir papeis diferentes nas mãos de crianças com autismo. Foto: reprodução|Pixabay

Desde 2008, a Organização das Nações Unidas (ONU) estipulou o Abril Azul. Durante o período, a campanha estabelece o objetivo de combater o preconceito e despertar o interesse da população para o Transtorno do Espectro Autista (TEA).

No Brasil, o transtorno geralmente é identificado entre os 2,5 e 3 anos de idade. O atraso para a definição do diagnóstico pode ser prejudicial para o acompanhamento profissional do quadro, que deve ser iniciado o quanto antes. Na última semana, a Revista Sou conversou com a neuropediatra Drª. Larissa Krohling, para saber mais sobre sinais que podem alertar aos pais sobre a necessidade de se buscar o acompanhamento de um especialista.

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) é um transtorno que engloba diferentes condições marcadas por perturbações do desenvolvimento neurológico que podem acarretar algumas características fundamentais, das quais, destacam-se: dificuldade de comunicação e do domínio da linguagem, dificuldade de socialização e padrão de comportamento restritivo e repetitivo.

Drª Larissa Krohling | CRM 6550-ES/ RQE N° 12014 e 5368. Foto: acervo pessoal

A Drª Larissa Henriques Freire Krohling é pediatra, médica neurologista infantil, e graduanda em Autismo pela Child Behavior Institute Miami. Ela explica que, quanto antes o tratamento for iniciado, melhores se apresentam as chances de que a criança apresente boas respostas aos estímulos. “O TEA apresenta algumas janelas específicas muito importantes para a intervenção médica. Isso porque, quanto mais nova a criança, maior a plasticidade do cérebro”, afirmou a especialista.

“A cada nova aprendizagem, novos circuitos neurais são ativados e novas sinapses são formadas. Quando alguns conhecimentos e habilidades não são usados por um tempo, ocorre a ‘poda neural’, em que alguns neurônios são desligados para dar espaço a novos, em um processo que começa já na vida intraútero. No caso das crianças com TEA, esse processo pode ter algumas falhas. Como o processo acaba sendo ineficiente, há um excesso de sinapses, resultando em déficits neurológicos comuns no autismo”, ressaltou Drª Larissa.

Por isso, é importante que os pais estejam atentos aos sinais de alerta para a busca de acompanhamento de um profissional especialista. Dentre tais sinais sugestivos, a médica destaca alguns comportamentos, reações e interações que podem ser observados pelos pais desde o primeiro ano de vida.

Sinais mais comuns no primeiro ano de vida

  • Ausência de contato visual eficaz;
  • Ausência do chamado “sorriso social”, quando a criança sorri para outras pessoas, ou como resultado de interação;
  • Não produz sons/ sem vocalização ou intenção de fala;
  • Não estica os braços pedindo colo;
  • Não demonstra interesse pelo olhar dos cuidadores ou dos pais;
  • Rigidez comportamental.

Sinais mais comuns após um ano de vida

  • Não reage ou responde ao ouvir o nome;
  • Não aceita o toque;
  • Não sustenta o olhar;
  • Indiferença à presença dos pais ou cuidadores;
  • Não apresenta comportamento de imitação;
  • Apresentam pouca atenção à face humana;
  • Incômodos frequentes com sons;
  • Distúrbios de sono.

Sinais mais comuns após os 18 meses de idade

  • Não brincar com os brinquedos da forma como é esperado, mas de formas novas ou diferentes;
  • Interesses em estímulos, movimentos restritivos e de repetição;
  • Seletividade alimentar;
  • Dificuldade em entender expressões faciais.

A especialista destaca a importância de que os pais se atentem aos sinais. “Alguns pais consideram que os atrasos na apresentação desses comportamentos podem ser normais para determinada idade, mas é preciso se atentar, pois o estímulo dos comportamentos importantes por meio da terapia pode ser mais efetivo para fortalecer as sinapses relativas àquele processo quanto mais nova for a criança”, reforçou a neuropediatra.

A ausência de contato visual eficaz e contínuo é um dos sinais frequentes do autismo, mais comum em crianças com mais de um ano de vida. Foto: reprodução|Pixabay

Importância do acompanhamento profissional

A apresentação dos sinais listados, entretanto, não será o indicativo de diagnóstico do TEA. Segundo a especialista, caso os pais notem um ou mais desses comportamentos, devem procurar um profissional especializado que analisará o diagnóstico. “Não é um ou outro comportamento desses que definirá a condição. Mas esses sinais são importantes para que os pais busquem um profissional que fará os exames necessários”, afirmou.

Após iniciado o tratamento, o tempo e o nível para a apresentação de respostas também é individual para cada criança. “Cada um é cada um! Os casos de TEA apresentam graus diferentes e a evolução do tratamento pode variar dependendo não só de fatores genéticos, mas também ambientais”, destacou a médica.

“O diagnóstico e intervenção precoce pode mudar o futuro da criança, melhorando a qualidade de vida dela e, nos casos classificados como leve, o indivíduo pode chegar a ter uma vida normal, trabalhando, tendo sua profissão e até construindo uma família”, explica a especialista.

Drª Larissa Henriques Freire Krohling é médica neurologista infantil e pediatra. Com formação pela Emescam e especialização em Neurologia Infantil pelo Instituto Fernandes Figueira (Fiocruz-RJ). Possui bolsa de mérito (fellow) em neurofisiologia Hospital Quinta Dor e é graduanda em Comportamento de Crianças Autistas no Institute of Miami. Drª Larissa possui vinte anos experiência em Neurologia Pediátrica e atuou por 15 anos em hospitais pediátricos de referência no Estado do Espírito Santo (Hospital Infantil de Vitória e Vila Velha).

Reportagem publicada originalmente na Revista Sou.

É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos e ilustrações, por qualquer meio, sem prévia autorização do FolhaOnline.es.

Anúncio

Anúncio

Veja também

Guarapari vai sediar retomada dos Jogos Escolares do Espírito Santo em setembro

De acordo com Secretaria Estadual de Esporte e Lazer, evento deve contar apenas com municípios campeões das últimas etapas realizadas em 2019

artigo-2-2021-07-30-1

Artigo: danos morais no Direito do Trabalho

Anúncio

Anúncio

cover-painel-covid-19-julho01

Guarapari teve 12 óbitos e 460 novos casos de Covid-19 em julho

Números apresentam queda, em relação ao mês anterior

notificação covid

Taxa de transmissão da Covid-19 é a menor no Espírito Santo desde o início da pandemia

Dado foi divulgado em pronunciamento para apresentação do 66° Mapa de Risco Covid-19

Anúncio

progressao-salarial-professores

Guarapari vai pagar R$1,06 milhão de Progressão aos profissionais da Educação

pronunciamento-16.11.22

66° Mapa de Risco mantém Guarapari, Anchieta e Alfredo Chaves em risco baixo para Covid-19

Anúncio