Anúncio

Ex-funcionários da rede Santo Antônio reivindicam direitos trabalhistas durante manifestação em Guarapari

Por Pedro Henrique Oliveira

Publicado em 29 de novembro de 2022 às 16:26

Anúncio

WhatsApp Image 2022 11 29 at 13.39.34 1 - Ex-funcionários da rede Santo Antônio reivindicam direitos trabalhistas durante manifestação em Guarapari
Fotos: divulgação

Um grupo de ex-funcionários da rede de supermercados Santo Antônio se reuniu na tarde desta terça-feira (29) em frente à sede da Justiça do Trabalho de Guarapari, na Praia do Morro, para uma manifestação pelos direitos trabalhistas devidos pela empresa.

O protesto ocorreu após o juiz responsável pela ação trabalhista não homologar a venda do prédio pertencente a antiga rede, localizado em Muquiçaba, que foi colocado em leilão no início do mês. O espaço, que hoje está alugado para a rede Extrabom recebeu um lance no valor de R$ 7.100.000,00, que seria destinado ao pagamento das dívidas.

Na decisão, o magistrado apontou que, após diversas tentativas de execução da venda do prédio e indefinições quanto ao valor do imóvel, a proposta ofertada é inferior ao avaliado pelo perito, e não seria suficiente para arcar com os processos trabalhistas contra a empresa. O juiz ainda argumentou que, levando em conta outros processos em que a rede é ré, o valor seria maior do que o estipulado na ação em questão.

A justiça, então, determinou que, até o dia 01 de dezembro, os responsáveis pela antiga rede de supermercados apresentem outros bens que possam alcançar os valores das dívidas.

Entenda o caso

Dois anos após encerrar suas operações em Guarapari, a antiga rede de supermercados Santo Antônio possui uma fila ex-funcionários que esperam receber valores referentes a direitos trabalhistas. Atualmente, cerca de 700 ex-funcionários da rede buscam receber na Justiça valores de direitos trabalhistas, que incluem férias, 13º salário e FGTS.

Após a informação de que o prédio de Muquiçaba teria recebido uma proposta de compra, muitos ex-funcionários criaram a expectativa de que receberiam o pagamento das dívidas. Segundo o advogado Edson Lourenço, que representa cerca de 130 ex-funcionários, o valor, de fato, não cobriria todos os contratos, mas conseguiria pagar boa parte dos processos.

Enquanto o imbróglio não é resolvido, centenas de famílias mantêm a esperança de receber o pagamento pelos direitos de anos de serviços prestados à empresa, que durante décadas foi referência no comércio de Guarapari.

É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos e ilustrações, por qualquer meio, sem prévia autorização do FolhaOnline.es.

Anúncio

Anúncio

Veja também

WhatsApp-Image-2023-10-10-at-16.24.33-1024x768

Incubadora do IFES Guarapari oferta últimas vagas para curso gratuito de Impressão 3D

Inscrições podem ser realizados on-line e vão até dia 23

casa-sinestescia-2024

Seminário debate cultura e inteligência para o turismo de Guarapari

Evento acontece nesta quarta (19) na Casa Sinestésica

Anúncio

Anúncio

WhatsApp-Image-2024-06-18-at-10.47.46

Polícia prende suspeito de estuprar criança de 9 anos em Guarapari

Crime aconteceu no dia 15 de maio

whatsapp-image-2024-06-14-at-16-37-17

Guarapari conquista bronze na premiação Cidade Empreendedora do Sebrae

Reconhecimento premia cidades que incentivam o empreendedorismo

Anúncio

WhatsApp-Image-2024-06-17-at-10.47.38

Polícia prende dois empresários por suspeita de envolvimento com comércio clandestino de carnes em Guarapari

Ação também interditou duas empresas

ce70bba0-29c7-11ef-895e-9d65eb610057-minified

Remoção das cabines de pedágio da Terceira Ponte começam nesta segunda (17)

Segundo o governador, em breve as cabines da Rodovia do Sol, em Guarapari, também serão removidas

Anúncio