Anúncio

Fundo de Proteção ao Emprego é opção para empresas do segmento de eventos

Linha de crédito emergencial pode ser contratada por empresas impactadas pela pandemia

Por Redação Folhaonline.es

Publicado em 7 de junho de 2021 às 16:24
Atualizado em 8 de junho de 2021 às 17:12

Anúncio

Foto: reprodução.

O setor de eventos foi um dos segmentos econômicos mais afetados pela pandemia do novo Coronavírus (Covid-19), com a redução de faturamento e mudanças no formato de atendimento, que migraram para canais virtuais, como lives e teleconferências. Uma das alternativas oferecidas pelo Governo do Estado para os empresários do setor diminuírem esses impactos nos negócios é o crédito emergencial do Fundo de Proteção ao Emprego, operado pelo Banco de Desenvolvimento do Espírito Santo (Bandes).

O Fundo, que receberá subsídio de R$ 250 milhões, faz parte de um pacote de medidas socioeconômicas como forma de reduzir os impactos da pandemia. O Fundo de Proteção ao Emprego oferta capital de giro, com condições operacionais atrativas e adequadas para a manutenção das atividades das empresas, com prazo de até 72 meses para pagar, incluídos 12 meses de carência. A linha é considerada sem juros, uma vez que o recurso financiado só tem correção pela taxa Selic.

Além disso, a linha apresenta maior facilidade de acesso e menor burocracia. De acordo com a regulamentação da lei de criação do Fundo, as certidões negativas de débitos junto à Fazenda Estadual estão dispensadas. As certidões negativas de débitos junto à União (certidões federais) também são dispensadas para operações de crédito até 30 de junho deste ano, com exceção para os débitos junto à Seguridade Social.

O diretor-presidente do Bandes, Munir Abud de Oliveira, avalia que o crédito emergencial pode contribuir para a retomada da atividade produtiva de diversos negócios. “Percebemos essa necessidade dos setores e estamos construindo uma agenda de atendimento junto a entidades representativas para fazer esse crédito chegar a quem precisa. A equipe técnica do Bandes está compromissada em agilizar o acesso aos recursos ao empresário para que possamos superar este momento difícil para todos”, enfatizou.

Munir Abud de Oliveira.

O empresário Gustavo Fernandes, sócio diretor da Inove Audi Visual, empresa de eventos de Vila Velha, contou que o negócio sentiu os impactos da pandemia. “No início, tivemos todos os novos eventos cancelados devido à proibição de todo e qualquer tipo de eventos. Paralisamos nossas atividades, mantivemos nossos colaboradores em casa e negociamos com nossos clientes o não cancelamento dos eventos já contratados para aquele ano: pedindo que eles fossem remarcados. A expectativa era que, em junho do ano passado, as atividades pudessem ser retomadas com os protocolos de segurança”, relatou.

O empresário buscou aliar a sustentabilidade financeira do negócio com a preocupação com a saúde da equipe. A empresa, que atua com locação de infraestrutura para eventos, precisou mudar o foco do negócio para a nova realidade.

“Durante esse primeiro momento, nos preocupamos em resguardar as nossas vidas e a dos nossos colaboradores, e estávamos trabalhando em home office. Participamos de treinamentos para saber como lidar com tudo isso e nos preparar para um retorno seguro às atividades. Buscamos ajuda financeira junto aos órgãos competentes, participamos de lives para entender melhor o que poderíamos fazer para superar esse momento. Tivemos um ajuste financeiro, negociamos com fornecedores, clientes e colaboradores. Nos reinventamos e oferecemos alternativas de eventos on-line, híbridos e reformulamos nosso negócio”, completou.

Uma das alternativas adotadas pela empresa foi a contratação dos recursos do Fundo de Proteção ao Emprego, operado pelo Bandes. Para o empresário, o momento é de enfrentamento das adversidades impostas. “Não medimos esforços em buscar alternativas e lutar pela sobrevivência da nossa marca. Até o momento tivemos êxito e estamos otimistas. O mercado já vem dando sinais de que tudo será retomado e estamos com a expectativa de que essa recuperação seja gradual e mais rápida do que a antes”, disse o empresário.

*Com informações: Bandes.

É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos e ilustrações, por qualquer meio, sem prévia autorização do FolhaOnline.es.

Anúncio

Anúncio

Veja também

rambutan-1

Rambutan: fruta exótica no Brasil é produzida em Guarapari

De origem asiática, o fruto é encontrado na propriedade do José Antônio Ofrante, em Rio Claro

Crimes virtuais

Artigo: crime virtuais; como se proteger e denunciar

Anúncio

Anúncio

guara-de-ouro-gri-2021-09-18-2

Guará de Ouro: solenidade homenageia lideranças locais e do ES que trabalham por Guarapari

capa_Medidor-de-velocidade-radar-FernandoMadeira-ales

Assembléia aprova lei que proíbe radares ocultos em estradas do ES

Anúncio

73o-MAPA-DE-RISCO-20.09-a-26.09

Governo do Espírito Santo divulga 73º Mapa de Risco Covid-19

vacina_es

Guarapari abre novo agendamento para terceira dose de vacina da Covid-19

Serão atendidos idosos com 60 anos ou mais que tomaram segunda dose de qualquer vacina da Covid-19 há cinco meses ou mais

Anúncio