Anúncio

Mais amor, por favor!

Por Hamilton Garcia

Publicado em 2 de agosto de 2016 às 12:02
Atualizado em 2 de agosto de 2016 às 12:42
Anúncio

Por Tayla Oliveira

Em 2009, o artista plástico Ygor Marotta já estampava nos muros de São Paulo a frase “Mais amor, por favor”. A mensagem ganhou fãs na cidade e se tornou viral na internet e como disse o próprio criador o dizer “virou um organismo vivo, se transformou em uma corrente para o bem”.

YGOR-MAROTTA_mais-amor-por-favor-12

Foto: Mistura Urbana.

O apelo continua e se torna cada vez mais necessário. Em um mundo em que todos estão cada vez mais individuais, pensando em si próprio e olhando menos para o lado, falta amor pelo próximo, assim como o valor pela vida.

Um levantamento mundial realizado pela organização não governamental inglesa Charities Aid Foundation (CAF) mostrou que a posição brasileira no ranking mundial de solidariedade caiu e hoje ocupa  76º dentro de um grupo de 153 nações avaliadas. Os norte-americanos aparecem na primeira colocação, seguidos por Irlanda, Austrália, Nova Zelândia e Reino Unido.

As explicações para a baixa solidariedade do brasileiro passam por questões culturais. O diretor presidente do Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social (Idis) – representante da CAF no Brasil –, Marcos Kisil, Kisil argumentou que a sociedade norte-americana foi fundada em princípios solidários, já que as próprias comunidades tinham de se organizar para a construção de escolas e hospitais, por exemplo. “Isso criou um forte sentido de pertencimento”, explicou.

Para a coordenadora do Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre o Terceiro Setor da Universidade Federal do Paraná, Ana Lucia Jansen de Mello de Santana, o resultado do Brasil não é novidade. Ela explicou que diversas pesquisas apontam que, em geral, o voluntário é alguém maduro, que já se estabeleceu no mercado de trabalho. Como a maioria da população brasileira ainda é composta por crianças e jovens, o índice de solidariedade tende a ser menor.

Os exemplos de que os valores estão invertidos não faltam. E isso começa no ambiente familiar, na ausência da formação da criança como um futuro cidadão responsável e ciente do seu compromisso na sociedade.

Hoje as pessoas estão mais preocupadas em crescer profissionalmente do que ver a sociedade evoluindo em conjunto. Nesse contexto as causas coletivas ficam em segundo plano. O que falta? Fazer a diferença e garantir que o amanhã não tenha apelos por mais amor, e que números sejam apenas da quantidade de pessoas que se ajudam e assim cresçam juntas.

É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos e ilustrações, por qualquer meio, sem prévia autorização do FolhaOnline.es.

Tags:

Anúncio
Anúncio

Veja também

Classroom of school

Alunos da rede estadual do ES serão “promovidos” para o próximo ano letivo; não haverá reprovação

A Sedu considera que a implementação e o desenvolvimento das atividades pedagógicas não presenciais durante o período de isolamento social podem ter afetar de modo desigual a aprendizagem dos estudantes

Foto: Divulgação

Vagas abertas no Hospital Estadual de Urgência e Emergência

Entre os benefícios estão assistência médica, odontológica, refeição no local, seguro de vida, vale transporte e alimentação

Anúncio
Anúncio
dupla Alfredo

Cantores de Alfredo Chaves e Iconha são classificados para final de concurso musical

teste-rapido-coronavirus-covid19-1

Número de mortos por Coronavírus em Guarapari chega a 88

A mais recente vítima fatal da doença residia no bairro

Anúncio
maus tratos

Moradora de Guarapari alega que mãe sofreu maus tratos em hospital na Serra

wally capa

Morador de Guarapari, jovem com autismo impressiona por talento artístico

Wally, que mora em Porto Grande, cria obras realistas e sonha em ter a arte como profissão

Anúncio