Anúncio

Pai recorre a justiça após filho ser expulso de escola em Guarapari

Por Aline Couto

Publicado em 8 de novembro de 2022 às 15:32

Anúncio

Pai recorre a justiça após filho ser expulso de escola em Guarapari
Foto: reprodução.

O folhaonline.es recebeu o relato de um pai, Wanderlei Salvador, que teve o filho, Arthur Salvador, expulso da Escola Estadual de Ensino Fundamental – EEEF Manoel Rozindo da Silva, em Meaípe, Guarapari. Segundo o depoimento, o aluno sempre foi tratado de forma diferente desde o primeiro dia na escola.

A professora falava que Arthur não tinha conhecimento, depois que ele implicava e arrumava confusão com colegas, além de falar palavrões e fazer bagunça, e por fim não deixou ele ficar com um celular desligado na escola, sendo que outros alunos faziam o mesmo. Um dia a professora tirou o celular da mão do meu filho a força e parei na delegacia para fazer um Boletim de Ocorrência por agressão”, relatou Wanderlei.

O pai também contou que o filho tem déficit de atenção, situação informada na escola, e por isso mais dificuldades que os colegas, mas que ele nunca viu o filho xingar nem fazer arruaças. Mesmo assim, diante do relato da professora, Wanderlei disse que pediu uma reunião com os outros pais para poder tentar resolver a questão, o que nunca aconteceu.

Um tempo depois, o pai contou que a professora comunicou que haveria uma reunião do Conselho de Escola para tentar resolver a situação do Arthur. Dias após, a profissional falou que a decisão foi pela expulsão do aluno da escola.

Não me conformo como as coisas foram conduzidas, ele não ficou nem três meses no colégio. Eu nunca vi esse conselho e não fui convidado para participar da reunião. Não teve outra solução se não entrar na justiça para buscar os direitos do meu filho. Quero corrigir essa injustiça e fazer com que Arthur retorne para a escola, única próxima da nossa casa”.

Justiça

Wanderlei explicou que foi até a defensoria pública e deu entrada com os papéis. “O procurador deu entrada no processo e o caso está na mão da juíza para que seja analisado e eu tenha uma resposta. Sigo aguardando”.

Sedu

Responsável pelas escolas do estado, a Secretaria da Educação – Sedu foi procurada e informou que a situação tem sido acompanhada pela gestão da unidade e, conforme prevê o Regimento Interno, o responsável pelo aluno foi chamado na escola, onde esteve reunido por algumas vezes com a equipe gestora.

O caso foi levado ao Conselho de Escola, que deliberou pela transferência do aluno para uma unidade de ensino situada no mesmo bairro. A Sedu destaca ainda que conta com a Ação Psicossocial Interativa Escolar (APOIE), formada por psicólogos e assistentes sociais, que realiza, periodicamente, rodas de conversa e de acolhimento junto aos alunos, visando conscientizá-los quanto às práticas de convivência e apoio emocional”, comunicou a Secretaria em nota.

É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos e ilustrações, por qualquer meio, sem prévia autorização do FolhaOnline.es.

Anúncio

Anúncio

Veja também

escola perocão (1)

Pais manifestam sobre condições de escola para o ano letivo em Guarapari

Rapaz desapareceido1

Família procura por rapaz desaparecido em Guarapari

Anúncio

Anúncio

Fiscalizacao_20230203_Noticias3-847x476-1

Crea-ES alerta para risco de quedas e acidentes na Praia da Areia Preta, em Guarapari

vacina-06fev-sesa

Retorno às aulas é momento de colocar as vacinas em dia

Anúncio

Pablo Lira

Pesquisador de Guarapari é o novo presidente do Instituto Jones dos Santos Neves

Transito-Fernando-Ferrari-Foto-Victor-Amaral-12-2

Multas leves e médias podem ser convertidas em advertência por escrito no Espírito Santo

Anúncio