Anúncio

Revogação da lei do bilhete eletrônico passa para segunda discussão

Por Livia Rangel

Publicado em 18 de junho de 2013 às 00:00

Anúncio

Após várias idas e vindas, o projeto de lei que pede a revogação da Lei 3.369/2012 (Lei do Bilhete Eletrônico) parece estar chegando a uma conclusão. Na sessão ordinária desta terça-feira (18), da Câmara Municipal de Guarapari, o projeto nº 082/2013 obteve o parecer favorável de todas as comissões e irá passar agora pela segunda – e definitiva – rodada de discussões.

“Acho que não é o povo que tem que pagar por uma lei feita com irresponsabilidade pela gestão passada da Câmara. Sem dúvida, a empresa que hoje detém o monopólio da bilhetagem eletrônica em nossa cidade tem o total direito de entrar na justiça contra a Prefeitura, pedindo reparação financeira, mas é o poder público que precisa pagar essa conta”, pontuou o vereador Lincoln (PTN).

Vários representantes de entidades e Ongs de Guarapari compareceram à sessão, munidos de cartazes com dizeres como “Licitação já” e “Queremos a moralidade do transporte público”, chamando a atenção dos parlamentares.

Durante as discussões, o presidente da CMG, Wanderlei Astori (PDT) chegou a anunciar que recebeu uma mensagem informando que o processo licitatório do transporte coletivo no município aparentemente já foi liberado pela justiça. “Essa é uma informação que ainda precisamos confirmar, por isso também vamos ter cautela”, afirmou.

Entenda o caso.

Atualmente, quatro empresas oferecem o serviço de transporte público em Guarapari, todas por meio de mandados de segurança, já que a licitação para o serviço está paralisada desde 2008.

Desde janeiro deste ano, devido à aprovação da lei 3.369/2012, uma empresa implantou e passou a monopolizar o sistema de bilhetagem eletrônica na cidade, trazendo desconforto a muitos usuários do sistema, que por possuírem o vale-transporte ou passe escolar desta empresa, são impossibilitados de usar ônibus das outras viações.

Já no dia 1º de abril, a 5ª Promotoria de Justiça de Guarapari declarou a inconstitucionalidade da Lei Municipal 3369/2012, que dispõe sobre a implantação do cartão eletrônico no transporte público de Guarapari.

Segundo o promotor municipal Genésio José Bragança, a lei “viola o princípio da Separação dos Poderes, pois o poder Legislativo, através de seu presidente na época, José Raimundo Dantas, foi o autor do projeto e o mesmo é de iniciativa privativa do chefe do Executivo Municipal”.

Logo no início do atual período legislativo, o vereador Thiago Paterlini (PMDB) encaminhou um PL para revogação da Lei 3369/2012, mas que foi rejeitado pelos demais parlamentares. Para voltar à pauta, o projeto deveria ter a assinatura de, no mínimo, mais 10 vereadores, o aconteceu, devido também à pressão popular, principalmente pelas redes sociais.

É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos e ilustrações, por qualquer meio, sem prévia autorização do FolhaOnline.es.

Tags:

Anúncio

Anúncio

Veja também

rotativo_cmg-gri-2021-05-21

Prefeitura de Guarapari decreta rescisão do contrato com concessionária de estacionamento rotativo

Decisão foi publicada nesta sexta-feira no Diário Oficial do município

Captura-de-tela-2024-07-11-164256

Justiça do Trabalho determina fim da greve na construção civil em Guarapari

Decisão judicial ordena retorno imediato dos trabalhadores e impõe multa ao sindicato em caso de descumprimento

Anúncio

Anúncio

WhatsApp-Image-2024-07-18-at-16.31.41

Escritora de Guarapari leva seu livro infantil para as telas com primeiro curta-metragem

Filme foi lançado no início deste mês no Cine Ritz

WhatsApp-Image-2024-07-18-at-14.56.06

Cruzamentos da Praia do Morro já registraram mais de 30 acidentes de trânsito neste ano

Número equivale à metade das colisões no bairro

Anúncio

Forro-Bobo-2023-13

Balneário de Iriri, em Anchieta, recebe 16ª edição do Forró Bobó neste fim de semana; confira a programação

De 19 a 21 de julho, evento vai reunir música e gastronomia

falta-de-agua-e-um-problema-politico-2-1024x683-1024x585

Governo do Estado declara Estado de Atenção para situação hídrica no ES

Medida foi tomada devido à falta de chuvas e estiagem nos últimos meses

Anúncio