Anúncio

Artigo: Responsabilidade dos bancos em caso de golpe e sequestro do Pix

Publicado em 12 de novembro de 2022 às 15:00
Atualizado em 7 de março de 2023 às 15:46

Anúncio

*por Dra. Ana Elise Azevedo Brandão.

Foto: reprodução

O pix é forma de pagamento instantâneo e, infelizmente, muito utilizado na prática de crimes como sequestro e estelionato. Isto porque, as “quadrilhas do pix” criam, de forma fraudulenta, “contas laranjas” em nome de terceiros de boa-fé, ou utilizam contas já existentes sem a ciência dos titulares, para receber os valores transferidos via pix oriundos da prática desses crimes.

Assim, realizado boletim de ocorrência, a vítima pode tentar a devolução do valor transferido perante seu banco ou via ação judicial. Esta última objetivando o ressarcimento do valor, e até indenização, haja vista normas e julgamentos respaldando essa tese, independentemente de prévia tentativa com os bancos, mas, nada impedindo sua ocorrência depois.

Nesse sentido, procurar diretamente os bancos é uma alternativa, mas muitas vezes não é eficiente, porque os bancos podem se recusar a devolver o valor ou por não haver o suficiente para devolução na conta bancária recebedora do pix. Contudo, a vítima pode entrar em contato com seu banco informando o crime e solicitando a devolução do valor via Mecanismo Especial de Devolução. Assim, o banco analisará o pedido e, se as contas não forem do mesmo banco, notificará o banco do usuário recebedor sobre a suspeita de fraude. Após, o banco notificado verificará a suspeita e, se entender pela possibilidade de conduta fraudulenta, bloqueará o valor e procederá a devolução.

Pela via judicial, embora ainda não haja entendimento unificado sobre o pix, por ser recente e muitos processos não terem sido julgados, há respaldo legal e jurídico para condenação dos bancos em caso de falha no sistema de segurança e gerenciamento de riscos na autorização de abertura e utilização de contas bancárias de forma fraudulenta, usadas para práticas delituosas. Nesse sentido, o banco deve impedir a abertura e utilização de “contas laranjas”, sob pena de ressarcir e indenizar a vítima pelas fraudes ocorridas em âmbito do pix.

Na prática, há casos em que o banco da vítima foi condenado judicialmente por autorizar indevidamente transação bancária que destoa do histórico do cliente, e há casos aos quais o banco do usuário recebedor do pix foi condenado por não comprovar a regularidade na abertura da “conta laranja” usada para o crime. 

Por fim, a ação de ressarcimento da quantia e indenização por danos morais, a depender do valor, pode ser ajuizada perante o Juizado Especial, inexistindo custas judiciais a pagar.

Foto para OAB Jovem Ana Elise Brandao
*Ana Elise Azevedo Brandão – Advogada associada do escritório Ferreira & Goulart Advocacia e Consultoria Jurídica.
Pós-graduanda em Direito Processual Civil pela Escola Superior de Advocacia – ESA.

As informações e/ou opiniões contidas neste artigo são de cunho pessoal e de responsabilidade do autor; além disso, não refletem, necessariamente, os posicionamentos do folhaonline.es

Anúncio

Anúncio

Veja também

SpeedFestival_02

Speed Festival: Guarapari recebe 3ª edição do evento automobilístico

Além das corridas, o evento contará com atividades para fãs de automobilismo

policia-civil_pc_viatura

DHPP Guarapari prende irmão de um dos traficantes mais procurados do Estado

O indivíduo, que foi detido em Anchieta, atuava como gerente do tráfico e é irmão de Willian Zanoli, vulgo “Terceirão”

Anúncio

Anúncio

WhatsApp Image 2024-02-27 at 09.39.591

Aluno da APAE Guarapari conquista 3º lugar em Olimpíada de Matemática

Com o diagnóstico de autismo, Adrian é assistido pela APAE Guarapari e estuda no EMEIEF Zilnete Pereira Guimarães

Janelas - Foto Telma Amaral

Grupo de teatro de Anchieta leva espetáculo ‘Janelas’ para outros municípios capixabas

Peça foi contemplada no edital de Artes Cênicas da Secretaria de Estado da Cultura

Anúncio

20240226110635_IMG_2837

Guarapari é destaque no Plano de Expansão da ES Gás, que investirá R$ 100 milhões no Estado

O município será o 14º a receber gás natural no ES. Outras cidades contempladas serão Linhares, São Mateus e a Região Metropolitana da Grande Vitória

Navios de Cruzeiros. Foto Fernando Frazão -Agência Brasil

Governo do Estado quer cruzeiros marítimos de volta ao ES; Guarapari pode estar na rota

Estudos realizados na USP apontam parecer positivo para retomada de roteiro turístico no litoral capixaba

Anúncio