Anúncio

Lei de deputado capixaba busca garantir o direito de amamentação para todas as servidoras do ES

Por Redação Folhaonline.es

Publicado em 24 de outubro de 2022 às 16:04

Anúncio

Lei de deputado capixaba busca garantir o direito de amamentação para todas as servidoras do ES
Foto: divulgação

Está tramitando na Assembleia Legislativa do Espírito Santo (Ales), nas comissões de Justiça, Cidadania, Saúde e Finanças, há cerca de uma semana, uma proposição do deputado estadual Sergio Majeski (PSDB), com a proposta de atualizar a legislação capixaba e permitir que todas as servidoras do estado tenham os mesmos direitos para amamentação durante o expediente do trabalho, independente do vínculo e regime de contratação.

O Projeto de Lei Complementar (PLC), de número 43/2022, do Majeski, abrange também as servidoras que ocupam cargos celetista, comissionado, em designação temporária ou cedido para o Governo do Estado. Outra característica da lei é a ampliação do prazo de amamentação, garantindo o aleitamento até os dois anos de idade, como recomenda a Organização Mundial da Saúde (OMS).

“Recebemos informações e reclamações de professoras, por exemplo, contratadas em designação temporária que não têm o direito garantido. Essa disparidade não pode continuar. Independente do regime de contratação há necessidade de preservarmos o direito básico e constitucional da mãe e da criança”, ressaltou Majeski.

Lei de deputado capixaba busca garantir o direito de amamentação para todas as servidoras do ES
Sergio Majeski. Foto: reprodução

O Regime Jurídico Único dos servidores públicos civis da administração direta das autarquias e das fundações públicas do Estado do Espírito Santo, de qualquer dos Poderes, no art. 138, garantiu às servidoras lactantes o direito à uma hora de descanso por dia para amamentação. Entretanto, há casos de servidoras contratadas em designação temporária submetidas à Lei Complementar nº 809/2015, que dispõe sobre a contratação por tempo determinado, onde o direito não é previsto.

“Queremos atualizar a lei do Regime Jurídico Único, deixando claro que o benefício vale para todas as servidoras. Estudos comprovam que o leite materno é a melhor proteção natural para a criança e para a mãe, e crianças amamentadas regularmente adoecem menos”, completou Majeski.

Segundo Leo Júnior, assessor do deputado, não há como estimar quanto tempo pode demorar a tramitação e que, em caso de aprovação, a lei será válida em todos os municípios do Espírito Santo.

*Com informações da Assessoria de Imprensa.

É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos e ilustrações, por qualquer meio, sem prévia autorização do FolhaOnline.es.

Anúncio

Anúncio

Veja também

sao-jose-de-anchieta

Hoje é dia de São José de Anchieta. Você sabe quais são suas obras?

Padre que virou santo tem uma grande história de fé, cultura e amor pela cidade de Anchieta e pelo Brasil

Vistoria-Tres-Ilhas-Marcelo-Nascimento-Iema-17

Gripe Aviária: Três Ilhas, em Guarapari, está com visitação suspensa por tempo indeterminado

Há exceções para finalidades de pesquisa científica previamente autorizada, fiscalização e monitoramento

Anúncio

Anúncio

estacao-de-esgoto-cesan-meaipe

Estação da Cesan começa a tratar esgoto de Enseada Azul, Meaípe e Nova Guarapari

Mais de 38 mil moradores serão beneficiados

Hemoes_Doacao-de-Sangue

Junho Vermelho: Sesa chama atenção para o mês da doação de sangue

Campanha Gotas de Esperança promove ato de doar

Anúncio

licenca-maternidade (1)

Coluna Papo de Pediatra: maternidade, menos cobranças e mais empatia

Cada mãe, cada família

Matéria-Folha_PIB

Economia capixaba começa 2023 com alta de 4,5%

O levantamento mostrou que a atividade econômica estadual cresceu em todas as bases de comparação temporal avaliadas

Anúncio