Anúncio

Antônio Ribeiro escreve para o folhaonline.es aos domingos e, a cada semana, o colunista relaciona Guarapari ao tema do momento. 

Artigo: Carnaval no hospital – tive Covid, Omicron e pneumonia

Saiba como foi e como evitar

Por Antônio Ribeiro

Publicado em 13 de março de 2022 às 09:00
Atualizado em 14 de março de 2022 às 16:35

Anúncio

Artigo: Carnaval no hospital - tive Covid, Omicron e pneumonia
Fotos: acervo pessoal.

Passei por tudo isso dentro do mês da fevereiro. Fiquei internado 15 dias no Hospital Unimed em Vitória e não desejo para ninguém, por isso decidi contar para os amigos se prevenirem.

Passei os dois anos da pandemia me cuidando e não tive uma gripe sequer. Tomei as três doses da vacina e achei que não corria risco. Uma amiga teve Covid no começo da fevereiro, sem sintomas, e acho que me passou, sem que eu saiba como, já que eu estava vacinado.

Numa sexta feira a tarde, senti uma moleza no corpo e fui dormir mais cedo. Acordei, tomei café da manhã e a moleza continuava. Voltei para cama e dormi o resto da manhã. Sem dor.

Um amigo me convidou para almoçar com outros dois. Sem saber que estava com Covid, fui e como tenho feito nos últimos dois anos, nada de aperto de mão, nem abraços. Conversamos um pouco e cada um tomou seu caminho. Sem contatos. Depois vim a saber que os três pegaram também!

A moleza continuou e meu cochilo diário de uma hora, durou mais de três. Como era sábado, fiz poucas coisas e já estava deitado de novo. Nem TV tive vontade de assistir. Dormi até mais tarde no domingo e comecei a me preocupar. Fui então ao posto da UPA e como não tinha sintomas, me disseram para ir num posto e fazer o teste na segunda.

Artigo: Carnaval no hospital - tive Covid, Omicron e pneumonia

Já preocupado, fiz o teste do Covid, que deu positivo e fui direto para a UPA do Ipiranga. Fui atendido logo e recebi receita para o que fazer caso os sintomas aparecessem. Recomendaram uma quarentena de cinco dias e sem tomar nenhum medicamento, a moleza acabou e pensei que a Covid, também.

Na sexta seguinte, um outro amigo me convidou para um capelete junto com um casal de amigos. Conversamos por cerca de uma hora e percebi que ele tossia muito e forte. Como estava de máscara e a mais de dois metros de distância, não me preocupei. Fomos para a mesa e ele sentou bem na minha frente.

Durante o jantar, já sem máscara, uma bebida mais quente, fez a tosse dele diminuir. Mas como estava bem em frente a mim, algumas vezes, tossiu. Não se sentia bem e foi embora mais cedo. Eu idem! Na manhã seguinte, um sábado, já acordei tossindo. Tosse que aumentou, sem nenhum outro sintoma. Só a tal moleza de novo. Outra vez dormi a tarde toda e ao fim desta, de novo preocupado, fui na Farmácia Santa Lúcia fazer teste, que deu positivo. Pela tosse, estava com Omicron e novamente fiz uma semana de quarentena e passei a tomar um expectorante para o pulmão e um xarope para a tosse, que passou logo, só me deixando com a moleza.

Na quinta fui a inauguração do Espaço Saúde, ao lado do Instituto do Rim e meu nefrologista, Dr. Nilson Mesquita, não gostou do meu quadro de saúde e requisitou alguns exames, que fiz no mesmo dia a tarde. Ao saber do resultado e lembrando que estava saindo da Covid e Omicron, além de estar no grupo de risco por ser hipertenso e ter insuficiência renal, indicou-me procurar um hospital.

Para não brincar com coisa séria, fui sexta mesmo, a tarde, para o Hospital Unimed de Vitória, onde cheguei no começo da noite. Já na recepção estava com falta de ar e com dificuldade para falar. Fui encaminhado para a emergência.

Na avaliação, uma notícia boa: fiz novo teste e deu negativo para Covid. Em pouco tempo, tive a primeira crise de falta de ar mais forte e fui levado para a UTI, onde me colocaram uma máscara em toda face, passando a receber oxigênio e monitoramento. Apavorei!

Artigo: Carnaval no hospital - tive Covid, Omicron e pneumonia

Daí em diante, passei quinze dias, sendo oito na UTI. Deixo para a coluna da próxima semana o que aconteceu no hospital e o que posso alertar para não acontecer com outras pessoas.

É nesta hora que damos mais valor à vida!

*Antônio Ribeiro é administrador, autor de 23 livros na área da saúde.

Contato: [email protected].

Mais de Antônio Ribeiro

WhatsApp-Image-2022-09-16-at-09.43.59

Coluna Dom Antônio: Guarapari pode ser modelo de voluntariado e mudar a vida de muitas pessoas no Brasil!

WhatsApp-Image-2022-09-09-at-09.00.07

Coluna Dom Antônio: Como destravar o turismo de Guarapari e do Espírito Santo?

bandeiras-br-es-guarapari-folhaonline

Coluna Dom Antônio: Como escolher um candidato que seja o melhor para Guarapari, Espírito Santo e para o Brasil?

Coluna-Dom-Antonio-Mapa_Prancheta-1-1024x576

Coluna Dom Antônio: Futuro para Guarapari – Rodosol no Aeroporto. A Muquiçaba como via expressa com mão única!

As informações e/ou opiniões contidas neste artigo são de cunho pessoal e de responsabilidade do autor; além disso, não refletem, necessariamente, os posicionamentos do folhaonline.es

Anúncio

Anúncio

Veja também

moto-rock-2022-4-1

Moto Rock agita Guarapari com o primeiro dia de sua 8ª edição

WhatsApp-Image-2022-08-01-at-13.22.36

Artigo: “Pais de Pet” – A tutela dos animais de estimação

Anúncio

Anúncio

ap22217686674430

Pesquisa Ipec revela a intenção de voto dos eleitores do ES para presidente

WhatsApp-Image-2022-09-21-at-20.11.11

AfroChaves conclui projeto com percussão, capoeira e show em Alfredo Chaves

Anúncio

WhatsApp Image 2022-09-23 at 15.40.48

Atletas de Guarapari garantem vagas para o Pan-Americano e Mundial de Canoa Havaiana

Conquista veio após vitória no campeonato nacional da modalidade

Moto Rock 2022 (9)

Guarapari: tudo pronto para a 8ª edição do maior evento motociclístico do Espírito Santo

O Moto Rock acontece durante este final de semana e tem expectativa de público de 30 mil pessoas

Anúncio