Anúncio

Justiça barra candidatura de Edson Magalhães

Por Livia Rangel

Publicado em 30 de julho de 2012 às 00:00

Anúncio

O atual prefeito de Guarapari, Edson Magalhães, teve seu registro de candidatura cancelado pela Justiça Eleitoral de Guarapari na última sexta-feira (27).

O juiz Jerônimo Monteiro acolheu as duas ações de impugnação contra Magalhães, tendo como base o argumento de que ele tentaria o terceiro mandato consecutivo, além de não estar quite com a Justiça Eleitoral.

Os pedidos partiram do Ministério Público Eleitoral e da coligação “Guarapari com a Força de Todos”, do candidato a prefeito Ricardo Conde (PSB).

Eles alegam que Edson Magalhães assumiu a prefeitura entre agosto de 2006 a junho de 2008, quando era vice-prefeito de Antonico Gottardo, afastado do cargo pela Justiça. Como foi eleito em 2008, ele estaria no segundo mandato. Na decisão, o juiz afirma que Edson é inelegível por “afrontar” a Constituição Federal “diante da vedação da reeleição em terceiro mandato e não quitação com a Justiça Eleitoral em tempo hábil”.

Jerônimo Monteiro citou decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e voto do juiz do TER Julio Cesar Costa Oliveira. “Não é possível candidatar-se a prefeito municipal nas eleições de 2012 aquele que, em 2004, na qualidade de vice-prefeito, substituiu o prefeito municipal nos seis meses que antecedem o pleito municipal de 2008 e foi eleito prefeito nas eleições de 2008, pois caracteriza o exercício de um terceiro mandato consecutivo”, disse o juiz.

Multa. O atual prefeito também perdeu o prazo para fazer o pagamento ou recorrer de multa de R$ 5 mil devido à propaganda eleitoral antecipada. A multa foi dada porque ele pediu votos durante inauguração de uma escola antes do prazo permitido no calendário eleitoral.

Magalhães informou que irá recorrer da decisão e manter a campanha nas ruas normalmente, fato que se nota na cidade. “Entendo que, quando você está substituindo, não está sucedendo ninguém. Existe jurisprudência no Tribunal Superior Eleitoral sobre isso e vou manter minha defesa. Vou até o final da campanha”, argumentou.

Recurso. Segundo o que corre nos bastidores políticos, tudo que a estratégia de Edson Magalhães é bem parecida com a que ocorreu nas eleições anteriores, quando seu candidato a vice, Orly Gomes, teve sua candidatura barrada pela Justiça.

Devido a uma brecha na legislação eleitoral – que permite a substituição de candidato a qualquer momento antes do pleito –, o nome de Gomes foi mantido na disputa até 72 horas antes das eleições. Assim, teme-se que Magalhães use o mesmo recurso e substitua o seu nome por outro candidato e tenha seu nome mantido na urna eleitoral, com a população votando em uma pessoa, mas elegendo outra.

É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos e ilustrações, por qualquer meio, sem prévia autorização do FolhaOnline.es.

Tags:

Anúncio

Anúncio

Veja também

falta-de-agua-e-um-problema-politico-2-1024x683-1024x585

Governo do Estado declara Estado de Atenção para situação hídrica no ES

Medida foi tomada devido à falta de chuvas e estiagem nos últimos meses

Joao-Hadad-em-A-Grande-Conquista-2

Guarapariense João Hadad disputa final de reality show da Record

Final acontece nesta quinta (18)

Anúncio

Anúncio

casa-sinestescia-2024

Casa Sinestésica oferece Oficina de Desenho gratuita nesta quarta (17) em Guarapari

Com o tema Autorretrato, atividade tem vagas limitadas

IMG_9800-1

Terra dos Dinos: Guarapari deve ganhar filial do ‘Jurassic Park brasileiro’ em 2025

Parque temático, no RJ, possui diversas atrações e 40 modelos de dinossauros em tamanho real

Anúncio

20240701_160006

Fios acumulados e pendurados em postes preocupam moradores de Guarapari

Moradores flagraram casos em duas avenidas movimentadas da Praia do Morro

lei-seca_forca-pela-vida-7-1

Blitz Lei Seca flagra 131 motoristas alcoolizados em todo Estado no fim de semana

Ação faz parte do programa “Força pela Vida”, integrando diversos órgãos

Anúncio