Anúncio

Pastores desaprovam nova lei de eventos na cidade

Por Livia Rangel

Publicado em 11 de novembro de 2014 às 00:00

Anúncio

Em uma sessão tumultuada – com direito a parada por cinco minutos para uma reunião interna dos vereadores – foi aprovado pela Câmara Municipal nesta terça-feira (11), o Projeto de Lei Complementar 016/2014, conhecido como Lei de Eventos. O texto define mudanças no trâmite legal para a realização de eventos, como o aumento da burocracia no processo e a cobrança de uma taxa de licenciamento que varia de R$ 155,78 a R$ 3.736,68.

Foi a quinta vez que o projeto entrou em pauta. Na semana passada, os parlamentares pediram a retirada do projeto para uma discussão com o poder executivo para pedir a isenção do pagamento de taxas para alguns tipos de festa, como as religiosas, esportivas e culturais. O texto aprovado nesta terça compreendia este pedido, mas não foi suficiente para satisfazer alguns segmentos, como o de igrejas evangélicas.

O presidente do Conselho de Pastores de Guarapari, Pastor Antônio Carlos, foi um dos que não viram a medida com bons olhos. “Nossa reivindicação era retirar o adjetivo religioso de todo o texto. A burocracia é muita”, criticou.

O pastor também prevê, por isso, a diminuição da realização de eventos religiosos na cidade. “Por exemplo, uma igreja com 700 membros, se realizar uma caravana evangelística pode facilmente reunir mais de 1.200 pessoas, o que ultrapassa o limite definido para isenção da taxa e aí as mudanças também não adiantam em nada”.

Por outro lado, alguns segmentos aprovaram o novo texto. O presidente da Associação LGBT de Guarapari, Jilson Santos, ficou satisfeito com a decisão de isentar o pagamento de taxas. “Já estamos acostumados com a burocracia. Na Parada Gay que realizamos todos os anos, seguimos quase todo o novo trâmite. Para nós, as medidas foram bem-vindas”, afirmou.

A Assessoria Legislativa da Casa de Leis já adiantou que há uma reunião marcada para a próxima segunda-feira, entre vereadores e representantes da Secretaria de Desenvolvimento e Expansão Econômica (Sedec). É quando vão decidir por emendas no projeto, por uma nova proposta ou se aprovarão sem alterações.

Os passos da burocracia

1º – O interessado deve protocolar o requerimento por meio de pessoa jurídica na procuradoria geral do município com prazo mínimo de 60 dias antecedentes ao evento, com os seguintes documentos:

– fotocópia do CNPJ, RG e CPF

– certidão negativa de débitos junto ao município, Estado e União

– titularidade do espaço físico utilizado ou contrato de locação ou arrendamento com reconhecimento de firma

– projeto de instalação e funcionamento de ambulatório médico ou posto de primeiros socorros, além de convênio com hospital para encaminhamento de possíveis atendimentos de urgência e emergência

– requerimento junto à Polícia Militar

– protocolo de autorização da Superintendência do Patrimônio da união (SPU)

– Documento de Arrecadação Municipal (DAM) devidamente quitado

2º – Requerer a Taxa de Licenciamento de Eventos (TLE) junto à Secretaria Municipal da Fazenda (Semfa)

3º – O processo segue para a Secretaria Municipal de Esporte, Cultura e Turismo (Sectur). É ela quem vai verificar o interesse público do município.

4º – Depois, passa pela Secretaria Municipal de Fiscalização (Semfis), onde devem ser apresentados em um prazo de 20 dias antes do evento, uma série de documentos, como:

– alvará de licença junto ao Corpo de Bombeiros

– comprovante de pagamento do DUA

–  alvará de licença da polícia civil e comprovante de pagamento das devidas taxas

– contrato dos serviços de ambulância

– contrato de locação de banheiros químicos caso o local do evento não tenha sanitários, sendo um sanitário para cada grupo de 70 pessoas

– contrato de prestação de serviços de segurança interna e externa, cuja indicação é de um segurança para cada grupo de 60 pessoas

– apólice de seguro coletivo

– autorização da Superintendência do Patrimônio da União

5º – A Secretaria Municipal da Saúde (Semsa) é quem vai verificar as condições sanitárias do local do evento

6º – Já a emissão da autorização do evento ou oficiar o requerente sobre o indeferimento caberá à Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Sema)

E quem não cumprir?

No caso de descumprimento da lei, os responsáveis podem sofrer multas que variam de R$ 6.227,80 a R$ 62.278. Além do evento ter suspensão imediata e interdição do local. Todos os valores referentes à lei serão repassados para o Fundo Municipal de Turismo (Fumdetur), administrado pelo Conselho Municipal de Turismo (Comtur). E deverá ser revertido para o desenvolvimento sustentável do turismo, esporte, lazer e cultura.

É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos e ilustrações, por qualquer meio, sem prévia autorização do FolhaOnline.es.

Tags:

Anúncio

Anúncio

Veja também

Imagem-do-WhatsApp-de-2024-07-02-as-14.22.32_930ee451

Prestes a lançar novo filme, Rodrigo Aragão quer formar novos talentos do cinema em Guarapari

Cineasta finaliza seu novo longa, que se passa em um prédio assombrado por fantasmas na Praia do Morro

{"eId":"703898471388870","CameraPosition":1}

Hotéis e pousadas das montanhas preparam mimos para hóspedes durante a Festa do Morango

34ª edição do evento já está com ingressos à venda

Anúncio

Anúncio

Pastor Raphael

Coluna Palavra de Fé: Schadenfreude

letreiro-guarapari-es-2021-08-27

Coluna Dom Antônio: O que falta para Guarapari ser uma cidade turística de verdade

Anúncio

regulamento foto (3)

Coluna Entenda Direito: A importância do Regulamento Interno das empresas nas relações de trabalho

Pipas_divulgacao

Guarapari foi a cidade mais atingida por problemas causados por pipas na rede elétrica

Nos primeiros meses do ano, cidade teve 1.668 clientes afetados na região; riscos de acidentes aumentam nas férias

Anúncio